Economia

Com foco em casa compartilhada, startup Yuca levanta fundo imobiliário

Crédito: Reprodução site Yuka

Imóvel na Yuka: recursos vão ajudar a empresa, fundada em 2019, a comprar imóveis para aumentar a oferta de locação em São Paulo (Crédito: Reprodução site Yuka)

A startup de habitação Yuca anuncia nesta quinta-feira, 25, a criação de um fundo imobiliário no valor de R$ 40 milhões. Realizado com assessoria do Itaú BBA, o veículo de oferta restrita teve captação já realizada junto a investidores profissionais e instituições. Os recursos vão ajudar a empresa, fundada em 2019, a comprar imóveis para aumentar a oferta de seu serviço de locação residencial em São Paulo.

Quinto andar sobe aos bilhões

Quinto Andar ganha concorrente

Ao contrário de outras startups de locação, como o unicórnio QuintoAndar, a Yuca parte de um modelo mais centralizado de aluguel residencial, colocando diversos serviços num único boleto. Além de aluguel, condomínio e IPTU, a empresa também oferece os móveis do apartamento, Wi-Fi, limpeza semanal e serviços de manutenção em um pacote só. A solução serve tanto para apartamentos individuais quanto para residências compartilhadas – neste segundo caso, a empresa capta imóveis de dois, três ou mais quartos e aluga-os por cômodo.

“Hoje, muitos jovens querem morar em São Paulo em áreas que só tem imóveis de tamanho maior. Há um desequilíbrio”, explica Rafael Steinbruch, cofundador e líder da área imobiliária da empresa. Ele é sobrinho de Benjamin Steinbruch, do Grupo Vicunha e da CSN.

Lógica de morar

Além de Steinbruch, a Yuca também tem outros dois sócios. Um deles é Eduardo Brennand de Campos, parte da família que controla o Grupo Brennand, com atuação em áreas como energia e cimento. Ele também fundou da startup Parafuzo, um Uber de faxinas, e é investidor de empresas como Rappi, Loggi e Gympass. Outro é Paulo Bichucher, ex-Pátria Investimentos. Apesar dos sobrenomes, os executivos garantem que as famílias não investem nem atuam na Yuca.

Segundo o trio, o preço médio de um quarto compartilhado em um imóvel da Yuca em São Paulo fica na casa de R$ 2,5 mil – a meta da empresa, que atua em bairros como Jardins, Pinheiros e Paraíso, é reduzir esse valor com o tempo, aumentando a quantidade de imóveis disponíveis e também o número de regiões em que atua. Hoje, a empresa tem 250 unidades – a maioria são quartos, mas também há casas individuais. Até o fim do ano, serão 400 unidades. Ao ter o controle de um apartamento, a empresa faz reformas e adapta o imóvel para a demanda do mercado – segundo a Yuca, o custo médio do metro quadrado que assume é de R$ 6 mil.

“Muitos apartamentos têm desenhos antigos, incluindo quarto de serviço. É algo que hoje não faz sentido”, diz Steinbruch. Além da aquisição, a empresa também capta imóveis com investidores institucionais, que buscam administradores para os ativos.

“Queremos inverter a lógica de morar, indo a partir da demanda e não da oferta”, afirma Steinbruch. Segundo ele, o fundo permitirá à empresa expandir seu radar. Hoje, a startup já mira bairros paulistanos como República, Sé, Luz e Bom Retiro – recentemente, começou a oferecer apartamentos no edifício Mirante do Vale, no Anhangabaú.

Para Alberto Ajzental, professor da FGV e especialista em mercado imobiliário, a proposta da Yuca faz sentido – e leva ao mundo residencial uma tendência que os coworkings já tinham posto no mundo dos escritórios. “Em vez de uma laje corporativa, eles dividem apartamentos entre pessoas: quem aluga pode morar num bom bairro, enquanto eles conseguem cobrar uma margem maior do que no aluguel individual”, afirma. O especialista alerta, porém, que a convivência entre desconhecidos sob um mesmo teto pode trazer riscos à operação.

Dinheiro no bolso

Usar fundos imobiliários para financiar a expansão não é uma tática inédita entre as startups – nomes como Housi e Loft também lançaram mão da tática. “É melhor do que pegar um empréstimo e pagar juros”, diz Ajzental.

Segundo Steinbruch, a intenção é seguir utilizando fundos imobiliários. A empresa planeja aumentar a captação de forma restrita no início de 2021 e, até o final do ano que vem, fazer a distribuição pública do fundo, abrindo espaço para qualquer investidor comprar cotas em torno dos R$ 100. A Yuca também deve captar investimentos no início de 2021, após ter levantado US$ 6 milhões em rodada liderada pelo Monashees.

Os valores serão usados para expansão da infraestrutura da startup, que hoje tem 70 pessoas. Em seis meses, a meta é duplicar a equipe. Novas cidades, porém, estão longe dos planos – segundo os sócios, ainda há muito o que explorar em São Paulo.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel