Finanças

Com a Libra, Facebook quer revolucionar o mercado de criptomoedas

Moeda deve ser lançada no primeiro semestre de 2020, em parceria com 28 companhias. A rede social afirma que Libra tem potencial para atingir 1,7 bilhão de pessoas em todo o mundo

Com a Libra, Facebook quer revolucionar o mercado de criptomoedas

Segundo os responsáveis, a moeda poderá ser usada em transações financeiras pelo Facebook, WhatsApp e Intagram

O Facebook apresentou nesta terça-feira (18) a Libra, o seu ambicioso projeto para transformar o mercado de criptomoedas e simplificar as transações financeiras via web. A rede social também criou a Libra Association, uma organização independente que gerenciará a estrutura, e o Calibra, o braço do Facebook para criação de aplicativos financeiros.

A expectativa é lançar o serviço no primeiro semestre de 2020. Até lá, o Facebook deixará disponível uma versão teste do seu blockchain – a tecnologia por trás das criptomoedas -, para que desenvolvedores possam experimentar e dar sugestões para a plataforma.

“A missão de Libra é ser uma moeda global e uma infraestrutura financeira simples que fortaleça bilhões de pessoas”, afirmou David Marcus, líder do projeto Libra.

A nova criptomoeda tem potencial para atingir 1,7 bilhão de pessoas sem acesso a serviços bancários tradicionais e estáveis em todo o mundo, afirmou a rede social. Atualmente, o Facebook conta com mais de 2,4 bilhões de usuários, incluindo também os aplicativos WhatsApp e Instagram.

“Agora, qualquer pessoa com um smartphone barato tem acesso a todas as informações que deseja no mundo gratuitamente com um plano de dados básico. Por que o dinheiro não funciona da mesma maneira?”, questionou Marcus.

Apesar de capitanear a ideia, o Facebook afirmou que não quer ser o único responsável pela Libra. Para manter a autonomia, o sistema será gerenciado pela Libra Association, uma entidade sem fins lucrativos sediada em Genebra e com participação 28 empresas, como Martercard, Uber, eBay e Spotify. A pretensão é reunir mais de 100 companhias nos próximos meses.

Os usuários poderão fazer a movimentação do dinheiro no Facebook e Instagram através de um aplicativo desenvolvido pela Calibra. Também será criado um atalho no WhatsApp e Messenger para pagamentos e recebimentos de uma forma simplificada, disseram os representantes do Facebook.

O acesso não ficará restrito aos usuários das redes sociais, e outras empresas poderão criar aplicativos que permitam a transação, empréstimos e pagamentos por meio da Libra. Segundo Marcus, os clientes poderão fazer as transações de forma gratuita, já as empresas e comerciantes que receberão em Libra deverão ser taxadas. A rede social também planeja lançar um sistema de empréstimos e outros serviços bancários.