Edição nº 1142 14.10 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

Wilson Ferreira Junior, presidente da Eletrobras

Com a capitalização, podemos triplicar os investimentos da empresa

Julio Bittencourt

Com a capitalização, podemos triplicar os investimentos da empresa

Depois de encerrar 2018 com um lucro líquido de R$ 13,3 bilhões — seu melhor resultado em 20 anos —, a estatal eleva em 178% a receita do primeiro trimestre e planeja um futuro em parceria com o setor privado

Renata Victal
Edição 31/05/2019 - nº 1123

À frente da maior empresa de eletricidade da América Latina desde 1º de julho de 2016, Wilson Ferreira Junior tem muito a comemorar. Além do resultado financeiro recorde, na esteira da venda bem sucedida das últimas distribuidoras do grupo, ele celebra ainda várias metas alcançadas, como a redução no número de funcionários e a diminuição do endividamento. No primeiro trimestre, o lucro foi de R$ 1,347 bilhão, alta de 178% em relação ao resultado do mesmo período de 2018. A reestruturação, porém, não acabou. O executivo precisa entregar a capitalização, modelo que considera mais adequado que a privatização.

DINHEIRO – As ações da Eletrobras dobraram de valor desde que você assumiu. O que o Wilson tem de diferente dos outros executivos?

WILSON FERREIRA JR. – Vontade de realizar. A companhia estava em uma situação delicada, mas tinha saída. Temos um bom plano e somos apoiados pelo governo. Isso é muito importante no caso de uma estatal que tem um conjunto de limitações, às vezes até políticas. Tivemos que vender coisas e privatizamos as distribuidoras, que eram menos relevantes na nossa atividade. Não se usava a palavra “privatização” há 20 anos, mas vendemos mais de 27 Sociedades de Propósito Específico (SPEs), além das participações acionárias que tínhamos na Eletropaulo e na CPFL. A solução patrimonial foi, em grande medida, responsável pela melhora da companhia.

DINHEIRO – O que mais contribuiu para o resultado?

FERREIRA JR. – A melhora operacional. Éramos uma companhia que tinha custos reais, de pessoal, material, serviços e outros maiores que os custos regulatórios. Quando isso acontece, o acionista paga a diferença. Começamos com 55% de custo a mais e, ao fim do último trimestre, chegamos a 11% a mais. Em 2016 tínhamos 26.008 funcionários e terminamos o ano passado com 14.275. Hoje estamos com menos 450. Saímos de, praticamente, 26 mil pessoas para 13.800, uma queda de quase 50%. Também diminuímos a dívida com a venda de ativos.

DINHEIRO – Quais são os gargalos da Eletrobras?

FERREIRA JR. – Hoje a companhia tem uma situação melhor, mas ainda é alavancada. A relação de dívida liquida sobre EBITDA caiu de 8,8 vezes para 2,2 vezes, mas o financiamento de empresas de infraestrutura é de 2,5 vezes. Continuamos com dificuldade para tomar recursos. A Eletrobras representa 30% da geração brasileira e 47% da transmissão. Pela lógica de participação de mercado, nos próximos 10 anos, deveríamos investir uma média de R$ 14 bilhões por ano. Só que o nosso plano plurianual está apontando para investimentos da ordem de R$ 18 bilhões em cinco anos, ou seja, inferior a R$ 4 bilhões por ano. Temos um gap, teoricamente, de R$ 10 bilhões anuais só para manter nossa participação no mercado. Esse é o gargalo: nossa capacidade de investimento.

Usina flutante em Sobradinho permitirá geração de energia solar independente da baixa hidrologia (Crédito:Ddivulgação)

DINHEIRO – E o caminho para dar fim a este gargalo passa pela capitalização ou pela privatização?

FERREIRA JR. – Temos falado na capitalização. Ainda temos na nossa estrutura uma quantia grande, 14 mil MW, em usinas de cotas com redução do valor do megawatt-hora de R$ 100 para R$ 30, uma queda de 70% na receita destas usinas. Repassar o risco hidrológico não foi uma boa para o consumidor. Quem opera as usinas a R$ 30, também opera com prejuízo. Este valor é insuficiente. As últimas usinas licitadas conseguiram até R$ 150 pelo megawatt-hora. Por conta deste problema, o governo começou a trabalhar para acabar com as usinas de cotas. E chegaram a esta conclusão porque os produtores independentes também sofrem quando não conseguem gerar a energia assegurada por conta do efeito climático, o assoreamento de rios. As razões são várias, mas os produtores independentes estão gerenciando estes riscos. Eles ficam menos expostos e conseguem vender parte da energia no mercado livre. Já o operador de cotas não pode fazer isso. A descotização é a mudança do contrato de concessão do regime de cotas, que é o que temos em 14 usinas, para o regime de produção independente, que é o regime de 70% das usinas brasileiras. (Nota da redação: o regime de “cotas”, criado pela presidente Dilma Rousseff em 2013, tirou da conta de energia o investimento das geradoras nos ativos e passou para o consumidor o risco hidrológico com as bandeiras verde, amarela e vermelha).

DINHEIRO – E como a capitalização ou privatização entra nesta mudança?

FERREIRA JR. – O governo sabe que esse risco tem que ser mitigado porque está onerando as tarifas. Com a mudança no contrato, o governo passa a ter o direito de bônus de outorga. O tema da capitalização serve para isso. Se você oferecer esta mudança para a Eletrobras, ela não tem hoje capacidade financeira de pagar por este novo contrato no valor de R$ 12 bilhões. E faríamos a capitalização. Seria um aumento de capital de R$ 12 bilhões ou o valor que for. E o regime que se propôs criar para essa empresa é o regime de corporação, como acontece com a maior parte dessas empresas no mundo. Na Itália, o governo tem 23% da Enel. Na França, o governo tem 24% da Engie. O governo brasileiro tem interesse em resolver o problema do risco hidrológico, e isso abre uma oportunidade. Temos uma grande capacidade de gerenciar o risco, mas não temos o dinheiro para comprar esse direito. Aqui a privatização acontece de forma indireta, pela diminuição do controle do governo na empresa. É uma operação que tem essa característica, ao mesmo tempo que você faz o aumento de capital pra comprar o direito de concessão, você está “desestatizando” a companhia porque o governo fica minoritário, abaixo de 50%. Teremos um novo contrato de concessão de 30 anos.

DINHEIRO – Essa decisão passa pelo Congresso, não?

FERREIRA JR. – Sim. Será objeto de debate no Congresso. O primeiro aspecto é da descotização. Há uma perspectiva de, finalmente, reduzir a conta de energia elétrica ou, pelo menos, tirar a volatilidade.

DINHEIRO – E tem algum estudo mostrando qual seria o percentual de redução do valor na conta?

FERREIRA JR. – A descotização pode ser feita de uma tacada só ou de forma gradual. E isso vai determinar os impactos. No ano passado, submetemos a descotização gradual em até cinco anos, o que significou uma redução média de 1,7% na conta. Os cálculos precisam ser refeitos porque a tarifa subiu.

DINHEIRO – Os sindicatos dizem que a conta de energia ficará mais cara. Como garantir que isso não aconteça?

FERREIRA JR. – Não espere que os sindicalistas falem que vai melhorar. O melhor exemplo é a empresa do Piauí, a primeira a ser vendida por nós. O critério de classificação era para quem desse desconto na tarifa e deram 8,5%. Isso também aconteceu no Acre, em Rondônia. No caso das distribuidoras, houve aumento de eficiência em todas.

DINHEIRO – Como a empresa deve se posicionar nos próximos 10 anos?

FERREIRA JR. – Isso vai depender se ela será uma empresa capitalizada ou não. Gosto de olhar até o fim do ano, quando teremos quase concluído o processo de reestruturação. Faltam mais 1.500 pessoas ingressarem nos PDVs. A segunda coisa importante é concluirmos as obras que havíamos começado. Desde que assumi, não começamos nenhuma outra, não participamos de leilão, e isso contribuição na redução da alavancagem.

DINHEIRO – Como está o andamento das obras em Belo Monte?

FERREIRA JR. – Tínhamos duas linhas de transmissão e conseguimos terminar no fim de 2017 com dois meses de antecedência. Belo Monte entrou no cronograma e a empresa deu lucro no ano passado. Estamos ligando uma máquina nova a cada 45 dias e vamos ligar a última em novembro.

Treze das 18 máquinas da usina de Belo Monte estão funcionando e a última será ligada em novembro (Crédito:Betto Silva)

DINHEIRO – Quando a empresa deve retomar novos investimentos?

FERREIRA JR. – Com a capitalização, podemos triplicar os investimentos da empresa. O Brasil, sob ponto de vista regulatório, é um sucesso nos leilões. A companhia está se preparando para ser competitiva e participar dos próximos leilões. O apetite dessa participação depende da capacidade financeira dela. Vai depender de, realmente, concluirmos a descotização e termos capacidade financeira. Isso vai determinar ser ela será mais ou menos competitiva.

DINHEIRO – A construção de Angra 3 ainda precisa de investimentos. As obras vão continuar?

FERREIRA JR. – Angra é uma usina extremamente importante para o sistema sudeste. Com as denúncias da Lava-Jato, fizemos um grande trabalho de encerrar todos os contratos suspeitos de ilícitos. Nos tornamos assistentes de acusação desse processo, lançamos todas as perdas no balanço e preservamos a usina em condições de ser retomada. Hoje, 73% da obra física está pronta. É uma usina com 1.400 MW instalados e que vai precisar de R$ 14 bilhões para ser concluída em um prazo de 55 meses. Não temos esses R$ 14 bilhões. Estamos trabalhando para saber qual modelo societário que melhor abrigará um sócio privado, que terá de ter 49% ou menos da usina.

DINHEIRO – Falando em ministérios, você já foi cotado algumas vezes para integrara a Esplanada. Tem essa ambição?

FERREIRA JR. – Não tenho nenhuma ambição. Estou muito feliz com o desafio que recebi na Eletrobras, até porque estamos entregando resultados. A companhia valia R$ 10 bilhões quando fui anunciado. Essa semana atingiu R$ 50 bilhões.

Contra-ataque

Grupo pró-Bivar convoca obstrução na Câmara para derrotar governo

Política

‘Infieis’ vão à Justiça para que possam deixar PDT e PSB sem perder mandato


Felipe Miranda

"Investidor é como boxeador. Se estiver domado não produz nada"

O principal nome do site de recomendações financeiras que mais barulho causou no Brasil nos últimos anos fala sobre os resultados que obteve a partir de estratégias de marketing incisivas e explica por que sua empresa optou por uma postura mais zen


Finanças

Mercado financeiro

Ibovespa perde fôlego no fim do pregão, mas fecha em alta com Petrobras


Farol Dinheiro

Para FMI, Brasil precisa de mais que reforma da Previdência para crescer

Economia

Economia

Para FMI, Brasil precisa de mais que reforma da Previdência para crescer

Fundo Monetário Internacional afirma que para um incremento mais robusto da economia, o País precisa fazer novas aberturas comerciais e investir em infraestrutura


Internacional


Separatismo deve forçar referendo com Madri, diz líder parlamentar

Roger Torrent

Separatismo deve forçar referendo com Madri, diz líder parlamentar

Primeira saída espacial 100% feminina será na quinta ou na sexta-feira

Nasa

Nasa

Primeira saída espacial 100% feminina será na quinta ou na sexta-feira

Curdos resistem na Síria, onde retirada dos EUA permite ação russa

Conflito

Conflito

Curdos resistem na Síria, onde retirada dos EUA permite ação russa


Editorial

O megaleilão de R$ 112 bilhões

Por Carlos José Marques

Por Carlos José Marques

O megaleilão de R$ 112 bilhões

Já desponta como a mais promissora notícia deste primeiro ano de Governo o megaleilão do excedente da cessão onerosa do petróleo do pré-sal, que deve ocorrer no mês que vem, com previsão de arrecadação na casa de R$ 112 bilhões. Será, em se confirmando, um resultado tão extraordinário que pode significar a redenção orçamentária do Estado

Felipe Miranda, estrategista-chefe da Empiricus

Felipe Miranda, estrategista-chefe da Empiricus

"Investidor é como boxeador. Se estiver domado não produz nada"

O principal nome do site de recomendações financeiras que mais barulho causou no Brasil nos últimos anos fala sobre os resultados que obteve a partir de estratégias de marketing incisivas e explica por que sua empresa optou por uma postura mais zen


Tecnologia

Sono hype

O foco agora é na cama

O foco agora é na cama

Sono hype

A indústria do bem-estar chega à era pós-fitness e alimentação saudável: a hora de dormir


Acerto de contas

JBS

Acerto de contas

Com desembolso de R$ 5 bilhões, JBS conclui o pagamento da totalidade das dívidas com bancos públicos reguladas pelo Acordo de Normalização, de 2018

O plano elétrico da Renault

Mobilidade

O plano elétrico da Renault

A marca francesa acelera suas vendas fortalecendo parcerias com governos e entidades dedicadas a popularizar os motores carbono zero


Dinheiro da semana

Bolsonaro bate boca com Bivar e racha com PSL

Crise no partido

Crise no partido

Bolsonaro bate boca com Bivar e racha com PSL

O estopim teria sido a declaração dada, na manhã da própria quarta, pelo presidente da legenda, o deputado federal Luciano Bivar, segundo quem a relação de Bolsonaro com o partido estava em estado terminal. “Ele já está afastado”, acrescentou Bivar


Ambiente competitivo estimula Santander

Expansão

Ambiente competitivo estimula Santander

Além do avanço por canais digitais, banco pretende ampliar rede de agências que atendem a cadeia do agronegócio, desde fornecedores, produtores até a agroindústria

Juro baixo destrava ofertas de ações

Onda de IPOS's

Juro baixo destrava ofertas de ações

Volume financeiro em operações iniciais e de aumento de capital por companhias abertas já ultrapassa R$ 60 bilhões neste ano. A perspectiva é encerrar o quarto trimestre com movimentação total superior a R$ 70 bilhões — um recorde


Colunas


O que aprendi sobre chatbots na China

Eduardo Henrique

Eduardo Henrique

O que aprendi sobre chatbots na China

Conheci de perto cerca de 20 empresas durante esse período, já que o motivo principal dessa viagem era observar iniciativas chinesas disruptivas em diversos setores, em especial aquelas que focam na Inteligência Artificial para serviços de interação e suporte aos clientes