Edição nº 1109 22.02 Ver ediçõs anteriores

Coco Bambu revê seus planos

Coco Bambu revê seus planos

Um ano após abrir seu primeiro restaurante em Miami, parte de um plano que previa lojas em mais cinco cidades nos Estados Unidos, a rede Coco Bambu decidiu rever a estratégia e fechou a sua loja em South Beach. Não foi uma decisão fácil. Afinal, foram investidos US$ 10 milhões na operação. “A escolha da cidade foi equivocada”, diz Afrânio Barreira, fundador e presidente da rede de 30 unidades no Brasil e faturamento anual de R$ 600 milhões. “Miami é uma cidade sazonal, durante parte do ano há diversos apartamentos de brasileiros ou de americanos de outras cidades que ficam fechados.” Agora, uma nova expansão é cogitada em um modelo no qual os custos – e os riscos – são divididos. Por enquanto, a única eleita é a cidade de San Diego. Motivo: o investimento será feito em conjunto com a cervejaria Novo Brazil, dos fundadores da Wäls, vendida para a Ambev, em 2015.

(Nota publicada na Edição 1087 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Hugo Cilo, Moacir Drska e Pedro Borg)


Mais posts

Volkswagen quer liderança, mas com fair play

Nenhum dos 20 novos carros que a alemã Volkswagen vai lançar no Brasil até 2020, dentro de um plano de investimento de R$ 7 bilhões, [...]

Roteiro bilionário

A Tour House, especializada em viagens corporativas, definiu um novo roteiro: faturar entre R$ 1,2 bilhão e R$ 1,5 bilhão em 2020. [...]

Vai dar praia

Nem só de ternos e gravatas vive o mundo das grifes de luxo. Tanto é que os empresários Michel Lassner (à esq.) e Alexandre Reitzfeld, [...]

O voo da Frente Corretora

A Frente Corretora de Câmbio está reinventando o mercado de venda de papel moeda. Com modelo inovador, que negocia dólar via [...]

Improviso na Saúde

Mesmo os mais bem relacionados interlocutores da indústria farmacêutica estão encontrando dificuldades para agendar conversas com o [...]
Ver mais
X

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.