Negócios

Coca-Cola sai da abstinência

Quarenta anos depois de investir na fabricação de vinhos, a empresa de refrigerantes lança bebida alcoólica no Japão

Crédito: Divulgação

Tradicional e moderno: com o destilado Chu-Hi, a Coca entra num setor que cresce 25% ao ano no Japão (Crédito: Divulgação)

Há dez anos, o consumo de refrigerantes nos Estados Unidos alcançava a marca de 200 litros por pessoa, anualmente. Segundo a empresa de pesquisas IBISWorld, esse foi o ápice da indústria de bebidas gasosas no país. Desde então, as vendas do produto caíram 40%. Essa nova realidade está forçando o setor a diversificar, o que leva a estratégias surpreendentes. A Coca-Cola, por exemplo, está voltando ao segmento de bebidas alcoólicas.

Pouca gente sabe, mas a empresa já teve uma divisão de vinhos, entre 1977 e 1983. Agora, a gigante de bebidas, com faturamento de US$ 41,9 bilhões, irá lançar no Japão o Chu-Hi, um destilado a base de batata doce ou cevada, com 3% a 8% de teor alcoólico. Trata-se de um dos mais populares drinques entre os jovens japoneses, cujas vendas crescem 25% ao ano, desde 2013. “Esse é um exemplo de como exploramos oportunidades fora de nossas áreas principais”, disse Jorge Garduno, presidente da divisão japonesa da Coca-Cola, em nota oficial.

O Japão é considerado um laboratório para a Coca. No ano passado, a empresa lançou uma centena de produtos no país. “Os produtos desenvolvidos aqui vão para todo o mundo”, disse Garduno. Ainda não há planos de exportar o Chu-Hi. Mas isso pode mudar. “Acredito que a bebida pode vir para o Brasil, mas com uma formulação mais adaptada à cultura local”, diz Giuliana Grinover, sócia da consultoria AGR Consultores.

No Brasil, a Coca também está diversificando. Isso porque, segundo a empresa de pesquisas Euromonitor, as vendas de refrigerantes caíram 19,9%, nos últimos cinco anos. “O foco por aqui está nos soft drinks, como chás e sucos”, diz Angélica Salado, analista sênior da consultoria. Para não perder seu lugar à mesa, a Coca-Cola mostra que pode até mudar da água para o vinho. Ou melhor: para o Chu-hi.