Finanças

Cobre opera em alta com plano da China de reduzir impostos

Os futuros de cobre operam em alta nesta manhã, impulsionados por planos da China de reduzir impostos para combater sua desaceleração econômica.

Por volta das 7h40 (de Brasília), o cobre para três meses negociado na London Metal Exchange (LME) subia 0,42%, a US$ 6.412,00 por tonelada.

Na Comex, a divisão de metais da bolsa mercantil de Nova York (Nymex), o cobre para entrega em maio avançava 0,57%, a US$ 2,9080 por libra-peso, às 8h15 (de Brasília).

A valorização do cobre veio depois de o governo chinês anunciar que implementará cortes de impostos no dia 1º de abril, com redução do IVA de 16% para 13%. A notícia ajuda o metal básico a ficar “um tanto mais firme” nesta sexta-feira, segundo o Commerzbank.

A China, cuja economia vem dando sinais de arrefecimento em meio a tensões comerciais com os Estados Unidos, é o maior consumidor mundial de cobre e de outros metais.

O cobre também é sustentado por um atraso na retomada de operações de duas unidades de fundição em minas do metal no Chile, de acordo com o Commerzbank. “Os problemas no Chile provavelmente significam que várias centenas de toneladas não estão disponíveis para o já apertado mercado de cobre”, disseram analistas do banco alemão.

Entre outros metais básicos na LME, não havia direção única. No horário indicado acima, a tonelada do alumínio tinha alta de 0,42%, a US$ 1.910,00, a do zinco caía 0,39%, a US$ 2.810,50, a do estanho recuava 0,33%, a US$ 21.160,00, a do níquel subia 0,70%, a US$ 12.995,00, e a do chumbo diminuía 0,76%, a US$ 2.092,50 por tonelada. Com informações da Dow Jones Newswires.

Tópicos

metais Mundo