Economia

CNseg revisa projeções para mercado de seguros e espera alta de até 10,6%

O mercado de seguros está mais otimista em relação ao ano de 2019, o que o fez elevar suas projeções de desempenho. O setor deve crescer entre 8% e 10,6% este ano frente ao exercício passado, sem considerar o DPVAT e o seguro saúde, conforme o presidente da Confederação Nacional das Seguradoras (CNseg), Marcio Coriolano. O intervalo anterior apontava crescimento de 5,5% a 7,6%.

“Não vai ser fácil. Dependemos de um segundo semestre gordinho”, resumiu o presidente da CNseg, em coletiva de imprensa, durante a Conseguro, evento do setor de seguros que acontece em Brasília, na quarta e quinta-feira.

O segundo semestre tradicionalmente é mais forte para o mercado de seguros, principalmente no segmento de previdência privada, quando há um volume maior de aportes nos planos correlacionados à declaração do Imposto de Renda. O presidente da Federação Nacional de Previdência Privada e Vida (FenaPrevi), Jorge Nasser, afirmou que ainda não há uma corrida no segmento por conta do avanço da aprovação da reforma da Previdência, mas que já há uma caminhada.

“Ainda há o desafio da orientação financeira. Somos entusiastas da reforma da Previdência. Vamos passar pelo primeiro grande obstáculo que é mexer nessa reforma paramétrica, com mudança no tempo de contribuição, redução do benefício e aumento da contribuição, e avançar em um segundo momento na capitalização”, disse Nasser.

No primeiro semestre, o setor de seguros movimentou R$ 125,4 bilhões, sem considerar os ramos de DPVAT e saúde suplementar, volume 8,4% maior em relação ao mesmo período de 2018, segundo a CNseg. Foi o maior avanço semestral desde 2015. “Não dá pra dizer que é uma boa notícia, mas mostra resiliência do setor de seguros ao ciclo econômico”, avaliou Coriolano.

No período, os segmentos de destaque foram o de pessoas, com expansão de 9,3% impulsionado pelos planos de previdência VGBL e PGBL, e de danos e responsabilidades, com alta de 5,5%. “A grande notícia é que a população quer se proteger de bens importantes em sua vida como o seguro residencial, que preserva o patrimônio das pessoas, e seguros de vida e planos de previdência”, concluiu o presidente da CNseg.

*A repórter viajou a convite da CNSeg

Veja também

+ Sandero deixa VW Polo GTS para trás em comparativo
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial
+ Ivete Sangalo salva menino de afogamento: “Foi tudo muito rápido”
+ Bandidos armados assaltam restaurante na zona norte do RJ
+ Mulher é empurrada para fora de ônibus após cuspir em homem
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?