Economia

CMN fixa limite para empréstimo de instituição financeira a parte relacionada

O chefe do departamento de regulação do Sistema Financeiro do Banco Central, João André Pereira, explicou nesta segunda-feira, 29, que a decisão do Conselho Monetário Nacional (CMN) que fixou limites para que as instituições financeiras possam emprestar para partes relacionadas é uma regulamentação da nova lei que rege o setor dos bancos desde o ano passado.

Antes, as instituições financeiras não podiam realizar empréstimos para partes relacionadas, que englobam controladores, diretores – e seus familiares -, além de pessoas ou empresas com participação acima de 15% em seu capital, e empresas com diretores ou conselheiros em comum.

Agora, os bancos passarão a poder emprestar um limite de até 10% do valor de seu patrimônio, desde que em condições de mercado. Além disso, os bancos deverão observar limites máximos individuais de 1% para a contratação com pessoas físicas e 5% para contratação com pessoas jurídicas.

“Tanto os critérios sobre quem se enquadra como parte relacionada e os limites das operações foram submetidos a consulta pública”, acrescentou Pereira.

O CMN também determinou que as instituições terão que elaborar e implementar, até 1º de abril de 2019, uma política para a realização de empréstimos com partes relacionadas.

Veja também

+ Funcionário do Burger King é morto por causa de demora em pedido

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Bolsonaro veta indenização a profissionais de saúde incapacitados pela covid-19

+ Nascidos em maio recebem a 4ª parcela do auxílio na quarta-feira (05)

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?