Giro

Clubhouse lança ferramenta para criadores monetizarem seus conteúdos

Crédito: Reprodução/Divulgação

O cofundador do Clubhouse, mencionou que a startup quer se concentrar na monetização direta sobre os criadores, em vez de anúncios.  (Crédito: Reprodução/Divulgação)

O Clubhouse é um aplicativo de áudio social com um ano de existência, já está avaliado em US$ 1 bilhão, e agora permitirá que os usuários enviem dinheiro para seus criadores favoritos – ou palestrantes – na plataforma.

Em uma postagem do blog, a startup anunciou o novo recurso de monetização, Clubhouse Payments, como “o primeiro de muitos recursos que permitem que os criadores sejam pagos diretamente no Clubhouse”.

+ Aplicativo espião consegue monitorar dispositivos de celulares Android

Paul Davison, o cofundador do Clubhouse, mencionou que a startup quer se concentrar na monetização direta sobre os criadores, em vez de anúncios. Funcionará da seguinte maneira: um usuário pode enviar um pagamento no Clubhouse acessando o perfil do criador a quem deseja doar o dinheiro. Se o criador tiver o recurso habilitado, o usuário poderá clicar  em “Enviar dinheiro” e inserir um valor.

Segundo o post 100% do pagamento irá para o criador. Da pessoa que enviar o dinheiro também será cobrada uma pequena taxa de processamento do cartão, que irá diretamente para o parceiro de processamento de pagamentos, Stripe. “O Clubhouse não levará nada.”

O CEO do Stripe, Patrick Collison, tuitou logo após a postagem do blog que “É legal ver uma nova plataforma social enfocar primeiro na renda do participante, em vez de monetização/publicidade internalizada”.

Quando a startup levantou uma série B liderada por Andreessen Horowitz em janeiro, disse-se que parte do financiamento de US $ 100 milhões foi para um programa de concessão de criadores. O programa seria usado para “apoiar os criadores emergentes do Clubhouse”, de acordo com uma postagem no blog. Não está claro como eles definem o surgimento, mas cultivar influenciadores (e recompensá-los com dinheiro) é uma maneira pela qual a startup está promovendo conteúdo de alta qualidade em sua plataforma.

As sinergias aqui são óbvias. Um criador do Clubhouse agora pode obter dicas para um grande programa ou arrecadar dinheiro para uma grande causa, além de ser recompensado pela própria plataforma por ser um apresentador recorrente.

O fato de que a primeira tentativa do Clubhouse de monetização não inclui nenhum corte percentual próprio é certamente digno de nota. A monetização, ou a falta dela no Clubhouse, tem sido um tópico de discussão sobre o início movimentado desde que decolou nos primeiros meses da pandemia. Embora atualmente dependa de capital de risco para manter as rodas girando, ela precisará ganhar dinheiro eventualmente para ser um negócio autossustentável.

A monetização dos criadores, com um corte para a plataforma, levou ao crescimento de grandes empresas. A Cameo, uma startup que envia mensagens personalizadas de criadores e celebridades, leva cerca de 25% de cada vídeo vendido em sua plataforma. A startup alcançou o status de unicórnio na semana passada com um aumento de $ 100 milhões. OnlyFans, outra plataforma que ajuda os criadores a arrecadar dinheiro diretamente dos fãs em troca de contato com acesso pago, projeta US $ 1 bilhão em receita para 2021.

O recurso de pagamentos do Clubhouse começou a ser testado primeiro por um “pequeno grupo de teste” a partir desta terça-feira (6), mas não está claro quem está neste grupo. Eventualmente, o recurso de pagamentos será lançado para outros usuários em ondas.

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel