Clubes de assinatura em alta

Além das 150 mil novas lojas virtuais abertas na pandemia, segundo a ABComm, os clubes de assinatura também se tornaram excelente saída para que empresas continuassem a vender durante a crise. Um levantamento realizado pela Betalabs, especializada em tecnologia para gestão de comércio eletrônico, mostra que em 2015 existiam cerca de 300 empresas nesse setor. Hoje, está em 4 mil clubes. Em reais, o mercado movimentou cerca de R$ 1 bilhão no Brasil no ano de 2019 e, até o momento, já cresceu 12% em faturamento, comparando com o ano anterior. Durante a pandemia foram lançados 800 novos clubes em todo o País e a estimativa é de que, por dia, 600 novos consumidores assinem os mais diversos tipos de pacotes. “Há uma grande vantagem das marcas em disponibilizar seus produtos em clubes de assinatura, uma vez que se tornam vendas fixas e garantidas por um determinado período, principalmente, nesse momento de crise que as empresas estão enfrentando. A Betalabs atende mais de 500 clubes de assinatura, e esse número não para de crescer. O sucesso é inegável”, disse Luan Gabellini, sócio-diretor da Betalabs.

(Nota publicada na edição 1195 da Revista Dinheiro)

Veja também
+ Até 2019, havia mais gente nas prisões do que na bolsa de valores do Brasil
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Veja quanto custa comer nos restaurantes dos jurados do MasterChef
+ Leilão de carros e motos tem desde Kombi a Nissan Frontier 0km




Sobre o autor

Hugo Cilo é editor de negócios da Revista DINHEIRO


Mais colunas e blogs


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.