Economia

Cintra: não é tributando com ‘nova CPMF’ que se vai conseguir R$ 120 bi

O ex-secretário especial da Receita Federal Marcos Cintra afirmou que o governo Bolsonaro não conseguirá alcançar a arrecadação de R$ 120 bilhões espera com a tributação de plataformas digitais a partir da criação de uma ‘nova CPMF’.

Para ele, a regressividade da CPMF pode ser facilmente resolvida com a tributação por meio de faixas. “A CPMF pode ser progressiva, o que nenhum imposto sobre consumo será”, disse, em Live promovida pelo BTG Pactual, na manhã desta quinta-feira, 13.

De acordo com Cintra, caso o governo adotasse a CPMF com uma alíquota de 0,33% poderia conseguir uma arrecadação de R$$ 220 bilhões a R$ 230 bilhões. Além disso, ele destacou que nesse patamar seria possível implementar a desoneração da folha.

“Eu prefiro uma alíquota cumulativa e baixa, como CPMF, do que IVA, que tem alíquota cavalar”, disse o ex-secretário. “A CPMF foi satanizada e demonizada. Vamos discutir. As vantagens desse tributo superam e muito suas desvantagens”, defendeu.

Veja também

+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos

+Conheça os 42 anos de história da picape Mitsubishi L200

+ Remédio barato acelera recuperação de pacientes com covid-19

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Avaliação: Chevrolet S10 2021 evoluiu mais do que parece

+ Grosseria de jurados do MasterChef Brasil é alvo de críticas

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?