Cinco motivos para ter o profissional doador na sua empresa

Cinco motivos para ter o profissional doador na sua empresa

O apoio aos colegas de trabalho, sem medo de “promover” o outro, mas procurando fazer acontecer pelo bem da empresa agrega valor ao “Juntos somos mais fortes!”

A máxima “o colaborador é o nosso principal ativo” pode parecer retórica dos gestores. Contudo, ela faz sentido nas culturas empresariais fortes e que privilegiam o comportamento de quem ajuda de maneira generosa, genuína e com senso crítico. Tal postura é cativante, multiplicadora e apaixonante. Ela torna as companhias ainda melhores.

O apoio aos colegas de trabalho, sem medo de “promover” o outro, mas procurando fazer acontecer pelo bem da empresa agrega valor ao “Juntos somos mais fortes!”. Oras, juntos significa um complementar o outro por um objetivo comum!

O livro Dar e receber, publicado em 2013 pelo pesquisador, professor e psicólogo organizacional americano Adam Grant, nos desperta para quatro modelos de profissionais: o doador, o adaptável, o pronoia e o paranoia ou o tomador.

O profissional doador carrega consigo: “O que eu posso fazer por você?”. Vale a pena ter essa cultura na organização. Ela gera maior envolvimento e foco no propósito da companhia:



1 – O profissional doador é colaborativo. Age sem falsas pretensas, de forma agregadora e não abusiva, elevando produtividade e diversidade, com contribuições criativas;

2 – Ele desperta nos colegas a coragem por pedidos de ajuda! É bobagem a perfeição, o medo de parecer incompetente. É preciso se arriscar, focar na solução. Omissão não entra nesse contexto;

3 – O profissional doador participa de debates francos, traz o que ninguém quer ouvir, mas que tem toda razão de ser. É humildade, dedicado, quer crescer, contribui com avaliações críticas e feedbacks construtivos. Compartilha orientação e conhecimento, além de ser mão na massa;

4 – Ele é verdadeiro, resiliente e persistente, e nem por isso abre mão da ambição natural no dia a dia de trabalho, a ser recompensada mais cedo ou mais tarde pela meritocracia, com naturalidade;

5 – O profissional doador torna o clima organizacional mais amigável, reforça o senso de time e de orgulho e pertencimento. Isola aquele que puxa o saco das chefias e pisa nos demais. Aff!

Ué, “não é mais forte ou mais inteligente que sobrevive, mas sim quem melhor se adapta”? Não seria essa a postura recomendável? O profissional adaptável busca o equilíbrio entre doar e tomar. Na linha do “Faça algo por mim que eu faço por você”. O ponto é: a mudança de comportamento é verdadeira, se sustenta e vai além das atribuições individuais?

Já o pronoia constrói na mente um universo de autodesqualificação, por insegurança. Como se alguém estivesse tramando por suas costas. Fica em dúvida se é bom o suficiente. Por isso o feedback transparente, franco, não-violento e positivo, independentemente de cargo, e o apoio de soluções para a saúde física e emocional, são relevantes.

Já o paranoia ou o tomador é aquele profissional que está sempre em competição com o outro. Em sua mente prevalece: “O que você pode fazer por mim?”. Justamente quando o que mais vale é: “o que podemos fazer pelo bem de todos!”.

Estimular e reconhecer a postura do profissional doador põe em foco o exemplo de comportamento a ser espelhado pelos demais. Logo: tenha esse colaborador em grande número na organização!

O sucesso está vinculado à contribuição. Precisamos cada vez mais de profissionais doadores, que não se sintam ameaçados em dividir conhecimento e tenham como propósito promover o sucesso dos colegas, da empresa e da sociedade.

Veja também
+ Até 2019, havia mais gente nas prisões do que na bolsa de valores do Brasil
+ Geisy reclama de censura em rede social: “O Instagram tá me perseguindo”
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Nicole Bahls já havia sido alertada sobre infidelidade do ex-marido
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago


Sobre o autor

Heverton Peixoto é CEO-Presidente da Wiz. Graduado em Engenharia Civil, com MBA em Corporate Finance no Insead, foi consultor da Mckinsey & Company de 2008 a 2013 em projetos estratégicos no mercado bancário e de seguros da América Latina.


Mais colunas e blogs


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.