Artigo

Cinco dicas para otimizar sua carteira de investimentos

Crédito: Divulgação

Walter Poladian, CFP®, é planejador financeiro e sócio-fundador do Fliper, plataforma de consolidação de investimentos de bancos e corretoras (Crédito: Divulgação)

A pandemia de COVID-19, que chegou ao país no fim de fevereiro e começou a crescer a partir de março, trouxe incertezas não apenas na sociedade civil e na saúde, mas também na economia. O país, que dava sinais claros de recuperação, voltou a sofrer com as incertezas econômicas, movidas pela disparada do dólar e pela queda na bolsa de valores. Nesse período, muitos investidores tiveram seu patrimônio desvalorizado, mas outros souberam se adaptar às transformações e conseguiram encontrar ativos atrativos para sua carteira. Em cenários de crise, é possível encontrar boas oportunidades de investimentos. Veja cinco dicas:

1 – Tenha ciência da volatilidade dos ativos de risco

De 2016 a 2020, os brasileiros viram um cenário muito favorável para a renda variável com a constante alta da Bolsa e queda na taxa de juros. Dessa forma, muitos optaram por investir em ações e fundos imobiliários pela primeira vez. A questão é que nem todos tinham conhecimento dos riscos que esses ativos possuem, o que fez muitos se desiludirem e se desesperarem com as quedas dos mercados. Portanto, tenha sempre em mente: retornos financeiros maiores sempre acarretam em maiores riscos! O importante é ter visão de longo prazo, se planejar e diversificar sua carteira de acordo com o cenário do mercado e seu perfil de investidor.

2 – Sempre diversifique sua carteira

O bom planejamento para ter uma carteira adequada (ou até para reduzir os impactos negativos) passa pela diversificação dos investimentos. A velha máxima sempre é válida: “Nunca coloque todos os ovos na mesma cesta.” Ao concentrar grande parte de seu patrimônio em um único investimento, o risco é muito superior do que dividir o dinheiro em ativos de diferentes categorias e descorrelacionados. Tenha uma parcela em renda fixa, como fundos DI simples para sua reserva de emergência, títulos indexados à inflação e prefixados, explore os fundos multimercados e, além de ações e fundos imobiliários, tenha investimentos em dólar, uma vez que a moeda americana tende a se valorizar frente ao real em cenários desfavoráveis para a economia, compensando possíveis desvalorizações com a queda da Bolsa. O mais importante é definir quanto alocar em cada classe de ativos e ir balanceando as alocações de acordo com os cenários previstos.

3 – Mantenha uma reserva de emergência

É uma dica válida tanto para quem está começando a investir quanto para o investidor experiente. Para este objetivo é importante alocar pelo menos seis vezes o valor de seus gastos mensais em ativos de baixíssimo risco e com possibilidade de resgate rápido, por exemplo fundos DI RF Simples com taxa zero, que investem apenas em Tesouro Selic. Mesmo que não tenha uma alta rentabilidade, é importante ter este caixa para cobrir despesas de curto prazo e aproveitar oportunidades de investimentos que apareçam no meio do caminho. Esse colchão de liquidez permitirá ao investidor tomar riscos com outra parte dos seus recursos, visando mais o longo prazo.

4 – Avalie a relação risco x retorno

A carteira de investimentos deve estar adequada ao perfil da pessoa. Se ela é mais conservadora no trato com o dinheiro e possui objetivos a curto prazo, a alocação em renda variável deve ser menor. Mas se for mais arrojada e está disposta a correr riscos, ampliar a participação nos ativos de risco se faz necessário para buscar maiores retornos. A meta, portanto, é buscar a melhor relação de risco e retorno de acordo com seu perfil e objetivos.

5 – Conte com a tecnologia

Por fim, é essencial que o investidor tenha uma visão clara e transparente de toda a sua carteira de investimentos. Quando as aplicações estão custodiadas em diferentes contas e instituições, a pessoa não sabe ao certo qual percentual do seu patrimônio está alocado em cada ativo e classe de ativo, o que atrapalha na sua tomada de decisão em rebalanceamentos da carteira. Nesse ponto, a tecnologia é fundamental. Com aplicativos que consolidam toda sua carteira de forma automática em um único lugar, você consegue otimizar tempo e fazer a gestão da carteira de forma mais eficiente. Aqueles que sabem o que possuem se saem melhor do que os que não sabem!

* Walter Poladian, CFP®, é planejador financeiro e sócio-fundador do Fliper, plataforma de consolidação de investimentos de bancos e corretoras – fliper@nbpress.com

 

Veja também

+ Sandero deixa VW Polo GTS para trás em comparativo
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial
+ Ivete Sangalo salva menino de afogamento: “Foi tudo muito rápido”
+ Bandidos armados assaltam restaurante na zona norte do RJ
+ Mulher é empurrada para fora de ônibus após cuspir em homem
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?