Edição nº 1113 22.03 Ver ediçõs anteriores

Cinco dicas para não errar na escolha dos vinhos para o Natal

Os princípios da harmonização ajudam a escolher o vinho ideal para as receitas, mas não devem ser uma regra absoluta. Na ceia de Natal, vale mais o encontro entre familiares e pessoas queridas

Cinco dicas para não errar na escolha dos vinhos para o Natal

Balotine de peru com farofa (Crédito: Eduardo Delfim)

Mesmo quem não é muito fã de vinho, não resiste a uma tacinha nesta época de festas e sempre tem muitas dúvidas de o que escolher. Vinho ou espumante? Em que ordem? Por isso, compartilho aqui as dicas que dou para os meus amigos sobre os vinhos para o Natal.

1 – Comece sempre com um espumante.

A escolha do rótulo depende muito do orçamento. Os bons champanhes franceses são divinos e caros, assim como os ingleses, para quem tem a oportunidade de comprar. Mas há bons espumantes em todas as faixas de preço. Se a opção é por uma borbulha importada, saiba que os cavas são mais complexos que os proseccos, que são mais frutados. Se for nacional, lembre-se que a qualidade das nossas borbulhas é crescente. Mais: os espumantes casam muito bem com as nozes e demais frutas secas que sempre aparecem nestas ocasiões.

2 – Pratos leves pedem vinhos leves

Natal não é momento de teorizar sobre as regras de harmonização, mas uma noção básica ajuda. Sabe aquela regrinha de branco com peixe e tinto com carne? Ela tem lógica. Um vinho muito encorpado vai passar por cima de um prato mais leve, como os pescados. E o contrário também acontece: um branco desaparece na primeira garfada de uma carne mais suculenta. Mais: no hemisfério Sul, o Natal acontece na estação do calor. Por isso, só escolha um vinho tinto mais encorpado se a receita permitir e se o ar condicionado ambiente também. Se, mesmo assim, a opção é por um tinto, que é a preferência nacional, procure aqueles mais leves. A uva pinot noir, não raro, resulta em vinhos assim.

3 – Minha ceia tem carne de porco

Lombo e pernil são receitas de sabores delicados e também um pouco gordurosas. A frescor da bebida (que os especialistas chamam de acidez) é ideal para casar com a gordura da receita. E o sabor delicado das receitas pedem vinhos de sabor menos intenso. São exemplos aqui espumantes, os vinhos brancos que não passaram por barrica e rosés, como os da Provence. Tintos, novamente, só os mais leves, como dolcettos, chiantis

4 – O peru é o clássico do Natal

Por mais que o brasileiro tome mais vinho tinto, o par ideal do peru é um branco. É uma receita de carne mais delicada, não rara, acompanhada com frutas, que lhe dá um sabor mais adocicado, e as farofas. Aqui, o branco não pode ser muito aromático, como sauvignon blanc ou viognier, que vão brigar com a receita. O ideal são aqueles brancos que envelhecem em barricas de carvalho, de textura mais cremosa. O chardonnay é o melhor exemplo. Mas se o peru assado tem acompanhamos mais “pesados” como molhos e batatas assadas, ele pode combinar com um tinto de corpo médio. Até um merlot pode combinar.

5 – Na sobremesa, aposte nos casamentos clássicos

Sabe qual é a melhor harmonização com o panetone de frutas? O espumante moscatel, que o Brasil elabora com qualidade. Com as rabanadas, eu gosto de vinho do Porto.

E uma observação final, que acho sempre válida repetir: Os princípios da harmonização ajudam a escolher o vinho ideal para as receitas, mas não devem ser uma regra absoluta. Na ceia de Natal, vale mais o encontro entre familiares e pessoas queridas na mesa. E, se a família for grande e não deu tempo para planejar direito o vinho, escolha um espumante para o brinde, um branco mais encorpado ou um tinto de corpo médio, que não vão comprometer nenhuma harmonização e vai deixar a celebração mais agradável.


Mais posts

Margareth Henriquez, uma mulher no mundo do champanhe

Presidente da Krug, ela trabalha para manter os ensinamentos do fundador da marca, de elaborar um produto com qualidade crescente

Emily Faulconer, a jovem enóloga que lidera a Viña Carmen

Ao assumir a vinícola chilena, no ano passado, houveram aqueles que a acharam muito jovem para este desafio

A argentina Paz Levinson fala sobre o trabalho das sommelières

Atualmente, Paz é a principal sommelier do Groupe Pic, com restaurantes na França, na Suíça e na Inglaterra e só tem elogios para a [...]

Gloria Collell, a mulher que cria as linhas especiais da Freixenet

Natural de uma família que produz vinho na Catalunha, ela chegou à enologia depois de desistir de um curso de direito. Na Freixenet, [...]

A dinamarquesa Nina Jensen é a segunda melhor sommelier do mundo

Ela conquistou o segundo lugar na 16ª edição do Concurso Mundial deSommelier, na Bélgica. É a segunda vez que uma mulher chega à [...]
Ver mais
X

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.