Ciência

Cientistas retardam processo de envelhecimento das células em até 25 anos

Crédito: Pexels

O tratamento consiste em ficar numa câmara de oxigênio hiperbárica, inalando oxigênio puro em uma pressão maior que a da atmosfera (Crédito: Pexels)

A fonte da juventude pode deixar de ser uma lenda e se tornar realidade. Um estudo realizado pela Universidade de Tel Aviv mostra uma reversão no processo de envelhecimento, que pode chegar a até 25 anos.

O estudo clínico foi realizado com 35 pacientes voluntários. O tratamento consiste em ficar numa câmara de oxigênio hiperbárica, inalando oxigênio puro em uma pressão maior que a da atmosfera. O processo dura três meses, com cinco sessões de 90 minutos, toda semana.

+ Vacina da AstraZeneca mostra resultados promissores entre idosos
+ Banco é condenado a multa por oferta de crédito consignado por telefone a idosos

De acordo com Hypeness, alguns telômeros (molécula cujo o encurtamento está ligado ao envelhecimento) das células foram estendidos em até 20% do tamanho que tinham antes. Dessa forma, elas ficaram da mesma maneira que eram 25 anos atrás.

Segundo a Longevity, a deterioração biológica do envelhecimento é citada como um importante fator de risco para câncer, doenças cardiovasculares, diabetes, demência e doença de Alzheimer. O estudo traz a inovação ao apontar cientificamente para a possibilidade de reversão do processo de envelhecimento celular.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel