Sustentabilidade

Cientistas e indígenas, aliados para salvar os condores da Colômbia

Uma câmera escondida registra o ritual. O indígena Rosendo Quirá sacode silenciosamente uma planta medicinal para atrair o condor à isca. O pássaro se aproxima na névoa para um desfiladeiro mais de 3.200 metros acima do nível do mar.

Quirá se destaca por seu conhecimento ancestral entre um grupo de 300 voluntários, vários deles indígenas, que se deslocaram no fim de semana em uma centena de pontos da Colômbia para realizar o primeiro censo desta espécie emblemática dos Andes.

Médico tradicional da reserva indígena Puracé, o homem de 52 anos deixa um pouco de carne na pedra e usa um ramo de sálvia para borrifar com uma infusão. Com a outra mão, ele segura uma vara e carrega uma mochila com plantas medicinais.

Pouco depois surge uma ave com cerca de três metros, que desce no local para aproveitar a oferta de carne. Os indígenas Kokonukos consideram ambos sagrados: o condor e a pedra sobre a qual ele repousa.



Perto está a câmera que os biólogos esconderam. Com a ajuda dos nativos, eles tentam contar os condores para ajudar na conservação.

“Precisamos saber quantos existem no país e em que estado estão”, explica à AFP a bióloga Adriana Collazos, que instalou o aparelho que é ativado com o mínimo de movimento.

O censo é uma iniciativa dos Parques Naturais Nacionais da Colômbia e da Fundação Neotropical, entre outras ONGs ecológicas.

– Mensageiros sob ameaça –

Embora os especialistas estimem que cerca de 130 condores vivam nos Andes colombianos, essa população de pássaros monogâmicos nunca foi registrada. Os indígenas de Puracé garantem que pelo menos um casal mora em seu território, mas alguns afirmam ter avistado outro. A câmera vai acabar com a duvida.

“Se ele se aproxima é porque estamos bem espiritualmente, se ele não se aproxima é porque estamos falhando em algo”, comemora Quirá após o encontro com o condor.

Para o seu povo, este pássaro é “o mensageiro do sol”: avisa sobre ameaças futuras e antecipa mudanças no clima.

Um dos maiores pássaros voadores do mundo, o condor dos Andes está criticamente ameaçado de extinção no país e quase ameaçado em escala global, de acordo com a União Internacional para a Conservação da Natureza.

A espécie, que só bota um ovo a cada dois ou três anos, é encontrada da Venezuela ao sul da Argentina e Chile.

A expansão da agricultura e da pecuária para os territórios de alta montanha onde vive o condor é a principal ameaça à sua conservação.

No final de 2018, um casal de condores foi encontrado morrendo de envenenamento no centro do país, onde é comum os agricultores usarem essa técnica para proteger seus animais de possíveis ataques.

“Conhecer as populações da espécie é um ponto básico para propor estratégias de conservação”, explica Fausto Sáenz, diretor científico da Fundação Neotropical.

Sáenz aspira ter os primeiros resultados do censo dentro de três semanas. Contar, ele explica, permitirá futuros esforços de reabastecimento para manter um equilíbrio saudável entre machos e fêmeas.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel