Ciência

Cientistas dos EUA estudam spray nasal para prevenir covid-19

Crédito: AFP/Arquivos

Imagem do SARS-CoV-2, o vírus responsável pela covid-19, obtida com um microscópio eletrônico (Crédito: AFP/Arquivos)

Cientistas da Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos, e da empresa de biotecnologia Regeneron estão pesquisando se uma tecnologia desenvolvida para terapia gênica pode ser usada para criar um spray nasal que evite infecções pelo novo coronavírus.

A ideia é utilizar um vírus enfraquecido como veículo para levar instruções genéticas às células do nariz e da garganta, para que criem anticorpos capazes de impedir o coronavírus de invadir o corpo humano.

+ Surto de covid-19 na Globo; emissora estuda redução de programas
+ Um ano do primeiro caso de covid-19: veja a evolução da doença

Os cientistas estão testando essa tecnologia em animais. Segundo o gerente do projeto, o professor de Medicina James Wilson, se o spray funcionar, ele poderá proporcionar cerca de seis meses de proteção com uma única dose.

Wilson é um pioneiro da terapia gênica, que envolve a inserção de código genético nas células dos pacientes para corrigir defeitos e tratar doenças.

Sua equipe de pesquisa descobriu que vírus adeno-associados, que infectam animais e outros primatas sem causar doenças, podem ser modificados para transportar DNA saudável para as células.

Esse trabalho levou à aprovação em 2019 do Zolgensma, o primeiro tratamento para atrofia muscular espinhal, e outras possíveis aplicaçõea dos vírus adeno-associados estão agora sendo investigadas.

O governo dos EUA entrou em contato com Wilson em fevereiro para ver se sua equipe poderia usar a tecnologia contra a covid-19.

Porém, os cientistas da Universidade da Pensilvânia não conseguiram avançar antes que a Regeneron desenvolvesse dois promissores anticorpos sintéticos contra o coronavírus, que aderem à superfície da proteína do patógeno e e ele invada as células.

Os anticorpos da Regeneron estão em ensaios clínicos, mas já receberam aprovação de emergência para uso em pacientes com covid-19 leve ou moderada com alto risco de sofrer uma variante grave da doença.

Os médicos que trataram o presidente dos EUA, Donald Trump, quando ele contraiu o coronavírus, administraram esses anticorpos.

Os pesquisadores esperam que o spray nasal seja capaz de entrar nas células epiteliais nasais e modificar sua produção de proteínas para que gerem os anticorpos da Regeneron.

Normalmente, as células imunológicas são as únicas que podem criar anticorpos, o que torna este projeto uma ideia bastante inovadora.

Como o coronavírus entra nos pulmões através da passagem nasal, o spray pode prevenir a infecção.

Os vírus adeno-associados também têm a vantagem de criar apenas uma resposta imunológica leve, de modo que seus efeitos colaterais podem ser menos graves do que os de vacinas mais avançadas, que treinam o sistema imunológico para reconhecer uma proteína-chave do coronavírus.

A Universidade da Pensilvânia e a Regeneron esperam terminar seus testes em animais em janeiro, para então buscar autorização da agência de medicamentos dos EUA para iniciar os testes em humanos.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel