Sustentabilidade

Cientistas desenvolvem instrumento de combate à poluição de plástico em Galápagos

Cientistas desenvolvem instrumento de combate à poluição de plástico em Galápagos

Voluntária segura garrafa plástica recolhida na Ilha Isabela, no arquipélago de Galápagos, no Oceano Pacífico, a 1000 km da costa do Equador, em 17 de fevereiro de 2019

Um grupo de cientistas desenvolveu um equipamento com inteligência artificial para prever onde e quando os resíduos de plástico flutuando no oceano chegarão às Ilhas Galápagos, um ecossistema único no mundo e hoje ameaçado.

A cada ano, mais de oito toneladas de lixo plástico são coletadas nas praias deste arquipélago do Oceano Pacífico, localizado a cerca de 1.000 quilômetros da costa do Equador, disse Stephanie Ypma, pesquisadora da Universidade de Utrecht (Holanda).

Impulsionados pelas correntes, resíduos do continente e das enormes frotas pesqueiras internacionais vão parar nas praias dessas ilhas classificadas como patrimônio mundial pela Unesco.

Essa poluição representa uma “grande ameaça à fauna silvestre”, já que as micropartículas de plástico muitas vezes vão parar no estômago dos animais, afirmou o cientista durante encontro da União Europeia de Geociências que acontece virtualmente nesta semana.

E com certeza “são muito mais do que oito toneladas de lixo”, já que apenas 1% do litoral é limpo por falta de recursos financeiros, acrescentou.

Por isso, o Instituto de Pesquisa Oceanográfica e Atmosférica de Utrecht desenvolveu um instrumento digital para “otimizar” essa limpeza.

Promovido pelo Galapagos Conservation Trust, um órgão de proteção da vida selvagem sediado no Reino Unido, a invenção foi desenvolvida para determinar para onde irão os resíduos.

É um instrumento de simulação que integra múltiplos parâmetros, desde fluxos oceânicos à composição de partículas plásticas, e possui sensores flutuantes equipados com GPS, que permitem medir o movimento da água em direção ao solo.

Os dados compilados combinaram com as simulações da inteligência artíficial para revelar uma previsão confiável. A primeira observação está prevista durante o verão boreal.

“Nossos primeros resultados são promissores”, garantiu Ypma, que confia que este modelo servirá também para o combate à poluição em outras ilhas do Pacífico.

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel