Giro

Cientistas descobrem variante genética chave para sobreviver à Covid-19

Crédito: Reprodução/Pixabay

Foi realizado um sequenciamento massivo de RNA no sangue, o que permitiu identificar diferenças significativas entre mais de 150 genes. (Crédito: Reprodução/Pixabay)



Uma pesquisa espanhola identificou uma variante genética que determina o prognóstico de pacientes com Covid-19 em estado crítico, podendo ser fundamental para a sua sobrevivência, segundo o jornal espanhol El Mundo.

Em causa está um estudo “observacional”, liderado pelo Centro de Pesquisas da Rede de Doenças Respiratórias (Ciberes), em conjunto com o Instituto de Pesquisa em Saúde do Principado (ISPA), da Universidade de Oviedo e do Instituto de Oncologia das Astúrias (HUCA), em 240 pacientes, que foram acompanhados durante toda a internação.

+ Anvisa revoga autorização de tratamento com anticorpos monoclonais contra covid

Uma das principais conclusões tiradas da análise ao polimorfismo identificado pelos pesquisadores foi que “a evolução desses pacientes gravemente doentes, que geralmente precisam de ventilação mecânica, depende da forma como o seu sistema imunológico responde à infeção por SARS-CoV-2”.



Daí se concluiu que “uma resposta inflamatória descontrolada pode causar danos ainda maiores aos pulmões ou a outros órgãos vitais, através de mecanismos inicialmente destinados a resolver o quadro”.

Para limitar essa resposta inflamatória, os médicos usaram a dexametasona. Trata-se de um corticosteróide que, como foi demonstrado pela experiência adquirida nestes quase dois anos de pandemia, melhora as chances de sobrevivência dos pacientes que desenvolvem infecção moderada ou grave por coronavírus.

O trabalho científico indica que o polimorfismo identificado “é uma variante do gene IFIH1, que codifica uma proteína, MDA5, responsável pelo reconhecimento do genoma viral no citoplasma da célula”.


Esta é a explicação técnica. Mas para que consiga entender melhor, “após a sua união ao vírus, é desencadeada uma resposta inflamatória mediada por interferons que depende da variante genética que o paciente carrega”. Assim, pacientes com genótipo TT têm uma resposta inflamatória atenuada e, portanto, melhor prognóstico do que indivíduos com genótipo CC/CT.

Para caracterizar a resposta inflamatória de cada genótipo – coleção de genes que uma pessoa apresenta -, foi realizado um sequenciamento massivo de RNA no sangue, o que permitiu identificar diferenças significativas entre mais de 150 genes.

“Os resultados deste estudo podem ter um grande impacto na prática clínica atual em pacientes Covid, pois significariam individualizar o tratamento farmacológico de acordo com o genótipo, caso estas descobertas sejam confirmadas num ensino clínico”, destacam os pesquisadores.

O estudo, publicado na revista científica Elife, foi possível graças à colaboração de diferentes serviços do HUCA, a ponto de identificar a variante genética que pode ser decisiva na sobrevivência dos pacientes internados nas unidades de tratamento intensivos (UTI).