Giro

Cientistas descobrem dois novos genes ligados ao Alzheimer

Crédito: Pixabay

Eles focaram o estudo no hipocampo, parte do cérebro envolvida na memória, por ser uma das primeiras regiões a sofrer danos (Crédito: Pixabay)

Uma equipe de pesquisa da Tianjin Medical University, na China, descobriu dois novos genes potencialmente envolvidos na doença de Alzheimer. Eles os identificaram explorando quais genes eram ativados e desativados no hipocampo de pessoas que sofriam da doença.

Liderado pelos cientistas Chunshui Yu e Mulin Jun Li, o estudo foi publicado na revista PLOS Genetics. Eles focaram o estudo no hipocampo, parte do cérebro envolvida na memória, por ser uma das primeiras regiões a sofrer danos.

+ Saúde diz que distribuiu vacina para 100% dos idosos em asilos

Para entender melhor quais genes contribuem para a progressão desta doença hereditária, os pesquisadores identificaram genes expressos em níveis superiores ou inferiores no hipocampo de pessoas com a doença.

Foram identificados 24 genes relacionados ao Alzheimer que parecem ter um efeito através do hipocampo. Destes, o PTPN9 e PCDHA4 eram desconhecidos. Além disso, vários estão envolvidos em processos biológicos relacionados à doença de Alzheimer, como formação de placas e morte celular.

Os pesquisadores conseguiram estabelecer que a expressão desses dois dos genes está relacionada ao tamanho do hipocampo e ao diagnóstico do Alzheimer. A descoberta melhora a compreensão dos mecanismos genéticos e celulares que causam a doença.

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel