Giro

Cientistas descobrem a maior bactéria do mundo, visível a olho nu

Crédito: Reprodução/Divulgação

Os finos fios brancos foram descobertos nas superfícies de folhas de mangue em decomposição em pântanos marinhos tropicais rasos. (Crédito: Reprodução/Divulgação)


Cientistas descobriram a maior bactéria conhecida do mundo, que vem na forma de filamentos brancos do tamanho de cílios humanos, em um pântano em Guadalupe.

Com cerca de 1 cm de comprimento, o estranho organismo, Thiomargarita magnifica , é cerca de 50 vezes maior do que todas as outras bactérias gigantes conhecidas e a primeira a ser visível a olho nu. Os finos fios brancos foram descobertos nas superfícies de folhas de mangue em decomposição em pântanos marinhos tropicais rasos.

+ Cientistas chilenos identificam bactérias hiperresistentes na Antártida

A descoberta foi uma surpresa porque, de acordo com modelos de metabolismo celular, as bactérias simplesmente não deveriam crescer tanto. Anteriormente, os cientistas haviam sugerido um limite máximo de tamanho possível cerca de 100 vezes menor do que a nova espécie.



“Para contextualizar, seria como um humano encontrando outro humano tão alto quanto o Monte Everest”, disse Jean-Marie Volland, cientista do Lawrence Berkeley National Laboratory, coautor do estudo.

O organismo foi descoberto por Olivier Gros, professor de biologia marinha da Université des Antilles, em Guadalupe, enquanto procurava bactérias simbióticas no ecossistema de mangue.

“Quando os vi, pensei: estranho”, disse Gros. O laboratório primeiro realizou análises microscópicas para estabelecer que os fios eram células únicas. Uma inspeção mais detalhada também revelou uma estrutura interna estranha. Na maioria das bactérias, o DNA flutua livremente dentro da célula. Thiomargarita magnifica parece manter seu DNA mais organizado dentro de compartimentos ligados à membrana em toda a célula. “E isso é muito inesperado para uma bactéria”, disse Volland.


Descobriu-se também que a bactéria contém três vezes mais genes do que a maioria das bactérias e centenas de milhares de cópias do genoma espalhadas por cada célula, tornando-a extraordinariamente complexa.

Os cientistas ainda não têm certeza de como as bactérias evoluíram para ser tão grandes. Uma possibilidade é que ele se adaptou para evitar a predação. “Se você crescer centenas ou milhares de vezes maior que seu predador, não poderá ser consumido por seu predador”, disse Volland.

No entanto, tornar-se grande significaria perder algumas das vantagens tradicionais das bactérias, incluindo a capacidade única de se movimentar e colonizar novos nichos. “Ao deixar o mundo microscópico, essas bactérias definitivamente mudaram a maneira como interagem com o ambiente”, disse Volland.

As bactérias ainda não foram encontradas em outros locais – e desapareceram do local original quando os pesquisadores retornaram recentemente, talvez por serem organismos sazonais. Mas no artigo, publicado na revista Science, os autores concluem que a descoberta “sugere que bactérias grandes e mais complexas podem estar escondidas à vista de todos”.