Giro

Cientistas brasileiros criam repelente contra mosquito da dengue

Crédito: Arquivo/Agência Brasil

A pesquisa usou um mecanismo baseado na evolução do próprio animal, que conseguiu impedir que a fêmea encontre seus hospedeiros. (Crédito: Arquivo/Agência Brasil)

Pesquisadores da Universidade Federal do Paraná descobriram uma forma de despistar o mosquito Aedes aegypti, vetor de doenças como dengue, zika e chikungunya. A pesquisa usou um mecanismo baseado na evolução do próprio animal, que fez da fêmea uma perita em detectar sangue. O estudo conseguiu impedir que a fêmea encontre “pistas químicas” que a guiam até seus hospedeiros.

+ Cientista liga casos de dengue à imunidade para covid-19
+ Fiocruz retoma projeto com mosquitos que combatem a dengue

O mosquito capta substâncias produzidas por mamíferos graças a receptores nas antenas e nos pulpos. Na pesquisa, os cientistas da UFPR desenvolveram uma molécula que bloqueia temporariamente os receptores do inseto e o impede de seguir as pistas químicas.

Por enquanto, a molécula mostrou-se mais eficiente em repelentes corporais por cerca de dez horas.

Além da alta eficiência, o método de desenvolvimento do repelente dispensou solventes na primeira etapa, o que o torna menos poluidor e com custo mais barato. Agora, os pesquisadores trabalham para eliminar os solventes na segunda etapa, possibilitando oferecer ao mercado um repelente de alta eficiência, natural, biodegradável, com insumos acessíveis, de custo baixo e obtido com reações químicas de baixo passivo ambiental.

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel