Ciência a favor da biodiversidade

Ciência a favor da biodiversidade

O Instituto Ecofuturo, mantido pela fabricante de papel e celulose Suzano, realizou um levantamento de todas as pesquisas conduzidas no Parque das Neblinas, localizado em Mogi das Cruzes, na região metropolitana de São Paulo.

Os 58 estudos analisados identificaram 1.253 espécies de fauna e flora, número que representa um aumento de 24% da riqueza de biodiversidade conhecida pela equipe do Parque das Neblinas, entre 2002 e 2016.

Entre as espécies mais representativas estão o muriqui, a onça-parda, a anta e o veado. O objetivo da iniciativa é fomentar e direcionar novas pesquisas no local.

(Nota publicada na Edição 1003 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Cápsulas de café em alumínio reciclado

A Nespresso, marca pioneira no mercado de cafés porcionados, anuncia que suas cápsulas serão produzidas com 80% de alumínio reciclado e [...]

Mãos limpas a seco

Para evitar o desperdício de água, a Casa/feito Brasil, indústria sustentável de cosmético, criou uma linha da marca capaz de promover [...]

Mudanças climáticas impactam setor elétrico

O relatório Digitally Enabled Grid, da Accenture, mapeia como as mudanças climáticas severas ao redor do mundo interferem no setor elétrico. Foram entrevistados 206 executivos de 28 países. Para 88%, garantir a resiliência da rede a essas intempéries provocará aumentos de preço significativos para os consumidores. O relatório mostra que os riscos financeiros ao negócio […]

Algas na carne vegetal

Para desestimular o consumo de carne, empresas ao redor do mundo apostam nas algas para revolucionar o mercado de carnes vegetais. Além [...]

Juntos Transformamos chega a 244 mil brasileiros

Com o objetivo de ajudar famílias em extrema vulnerabilidade social, o movimento Juntos Transformamos, lançado em março pela XP Inc., [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.