Giro

Chuva de meteoros tem pico nesta sexta-feira

Crédito: Reprodução/Pexels

A chuva de meteoros terá seu pico na noite desta sexta-feira, 5, será visível para pessoas de todas as partes do Brasil. (Crédito: Reprodução/Pexels)

A chuva de meteoros terá seu pico na noite desta sexta-feira, 5, será visível para pessoas de todas as partes do Brasil. Neste período, a constelação de Touro, da onde os meteoros parecem surgir, já estará em uma posição bem alta no céu, o que proporcionará uma melhor visibilidade aos observadores.



Para observar o fenômeno, o primeiro passo é procurar um local que forneça uma visão clara e ampla do céu — e torcer para que a noite esteja limpa, sem nuvens. Além disso, é bom estar em uma região com o horizonte livre de obstruções e pouca poluição luminosa. Até a Lua vai colaborar: a iluminação do nosso satélite natural promete não atrapalhar as observações.

+ Escultura Meteoro, em frente ao Itamaraty, passará por restauração

Nas condições ideais — e seguindo todas as orientações —, será possível visualizar, no máximo, até cinco meteoros por hora, uma chuva considerada de baixa intensidade.

Como em todo evento astronômico, esperar e ter paciência faz parte do jogo. Se quiser tentar a sorte mais uma vez, fique de olho no céu na próxima semana também. Na quinta-feira (11), será a vez da chuva de meteoros Taurídeos do Norte, que é causada pelos detritos do asteroide 2004 TG10 e apresenta uma ocorrência elevada de meteoros brilhantes.

+ Especialista revela o segredo dos bilionários da bolsa. Inscreva-se agora e aprenda!



O que é um meteoro?
Meteoro, popularmente chamado de estrela cadente, é um fenômeno que se caracteriza pela passagem de um meteoroide pela atmosfera terrestre. Meteoroides, por sua vez, são fragmentos de cometas ou asteroides, que se desprendem desses corpos celestes e ficam vagando pelo espaço em órbitas em torno do Sol.

No caso da Táuridas do Sul, o astro que dá origem à chuva é o cometa Encke, o segundo cometa periódico descoberto após o famoso cometa Halley. Com um período orbital de 1.204 dias, o corpo celeste fará sua próxima aproximação ao Sol em 2023.