Giro

China pretende substituir progressivamente o carvão por energia solar

Crédito: Reprodução/Pexels

O país asiático pretende eliminar, progressivamente, o carvão e substitui-lo por energia solar, mais sustentável e mais barata. (Crédito: Reprodução/Pexels)

China é um significativo e preocupante emissor de carbono, contribuindo, de forma ascendente, para os níveis de poluição globais. Nesse sentido, e seguindo o caminho de grande parte do mundo, pretende tornar-se mais verde e, para conseguir a neutralidade carbonica, definiu políticas de transição energética. Por exemplo, o país asiático pretende eliminar, progressivamente, o carvão e substitui-lo por energia solar, mais sustentável e mais barata.



O governo chinês está empenhado em garantir a neutralidade carbonica, não fosse o país um dos mais preocupantes emissores de carbono do mundo inteiro. Então, a aposta prende-se na energia solar: uma alternativa ao carvão mais sustentável e também mais barata. Desta forma, o governo pretende acelerar os seus planos de expansão da energia verde no país.

+ Do petróleo às energias renováveis: sopram ventos de mudança nas ilhas escocesas

Conforme revelou um relatório publicado pela Chinese Academy of Sciences, em 2060, mais de 43% da eletricidade da China poderia ser garantida por sistemas fotovoltaicos. Nesse caso, as baterias desempenhariam um papel crucial e, tendo em conta os preços baixos que seriam praticados, poderiam coexistir as duas tecnologias – energia solar e baterias.

De acordo com investigadores da School of Engineering and Applied Sciences da Harvard University, e da Tsinghua University, em Pequim, as avaliações realizadas anteriormente acerca do futuro sistema elétrico da China subestimaram as potenciais reduções do custo das tecnologias de energia solar e de armazenamento.



Os resultados do estudo sugerem que o armazenamento solar mais o armazenamento com baterias poderia servir como uma fonte muito competitiva para um sistema de energia neutro em termos de emissões.

A solução para o problema reside na redução acentuada dos custos dos sistemas de armazenamento de energia solar e de baterias que foram posicionados como uma oportunidade para o armazenamento solar se tornar o mais competitivo em termos de custos para o futuro sistema energético.

Tendo em conta a grande quantidade de área disponível e a boa radiação solar, o interior norte da China poderá garantir as condições para a instalação das centrais solares.

Então, se a China aproveitar todo o seu potencial, poderá dar origem a um sistema energético muito mais sustentável e barato do que aquele que tem atualmente. Para este passo rumo à neutralidade carbónica, o país estabeleceu um horizonte temporal de 38 anos.


Veja também
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Vídeo: Motorista deixa carro Tesla no piloto automático e dorme em rodovia de SP
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Lago Superior: a melhor onda de água doce do mundo?