Economia

China critica ‘golpes baixos’ dos EUA contra Huawei

Pequim criticou nesta quinta-feira (16) os "golpes baixos" de Washington contra a Huawei e denunciou a "discriminação racial generalizada" nos Estados Unidos, em resposta às críticas americanas aos direitos humanos visando a gigante chinesa das telecomunicações.

Crédito: POOL/AFP

Logo da 'Huawei' em tela atrás do secretário de Estado americano Mike Pompeo, em 15 de julho de 2020 - POOL/AFP (Crédito: POOL/AFP)

Pequim criticou nesta quinta-feira (16) os “golpes baixos” de Washington contra a Huawei e denunciou a “discriminação racial generalizada” nos Estados Unidos, em resposta às críticas americanas aos direitos humanos visando a gigante chinesa das telecomunicações.

As relações entre as duas maiores potências mundiais são tensas em inúmeras questões: comércio, lei de segurança nacional em Hong Kong, Mar da China Meridional ou ainda muçulmanos uigures.

China deve retaliar após veto do Reino Unido à Huawei, diz jornal Global Times

EUA sobem tom contra China e anunciam sanções à Huawei, que negocia 5G com Brasil

Neste contexto, os Estados Unidos anunciaram na quarta-feira restrições de visto contra funcionários de empresas de tecnologia chinesas, incluindo a Huawei, em caso de “apoio material” a violações dos direitos humanos.

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, acusou a empresa de telecomunicações de instalar tecnologia de vigilância em Xinjiang – uma região no noroeste da China que há muito é atingida por atentados.

Corte de laços

Segundo organizações de defesa dos direitos humanos, um milhão de uigures e membros de outros grupos étnicos muçulmanos estão ou foram internados na região em nome da luta contra o terrorismo.

Mike Pompeo, que suspeita que a Huawei espione para o governo de Pequim, também elogiou a decisão do Reino Unido de cortar os laços com a gigante em sua rede 5G e de se juntar à lista de “países limpos”.

“Não há nada de limpo no que os Estados Unidos estão fazendo. São golpes baixos”, declarou nesta quinta-feira Hua Chunying, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China.

“A única falha da Huawei é ser chinesa”, disse à imprensa.

A porta-voz também denunciou as acusações de Washington em matéria de direitos humanos, criticando o intervencionismo americano em países estrangeiros ou a “discriminação racial generalizada” em solo americano.

Troca de farpas

“Se Pompeo quer falar sobre direitos humanos, deve perguntar a George Floyd e aos membros de minorias étnicas nos Estados Unidos o que eles pensam sobre isso”, ironizou Hua, referindo-se ao afro-americano morto sufocado no final de maio por um policial.

O Reino Unido decidiu na terça-feira retirar de sua futura rede 5G todos os equipamentos produzidos pela Huawei, em nome da segurança nacional.

As sanções dos EUA impostas em maio, destinadas a cortar o acesso da empresa privada chinesa a semicondutores fabricados com componentes americanos, pesaram na decisão.

“Isso mostra que o governo britânico perdeu sua preciosa independência e autonomia na questão da Huawei”, denunciou Hua Chunying, que havia acusado o Reino Unido no dia anterior de ser um “vassalo” dos Estados Unidos.

Veja também

+ Bolsonaro posta foto com filha e rebate crítica: “Já tomou Caracu hoje?”

+ Faça em casa receita de pudim com milho e leite condensado

+ Ex-capa da Playboy é presa acusada de tráfico de drogas em rede de prostituição

+ Com bumbum à mostra, Ivy Moraes filosofa no Instagram

+ Saiba por que as farmacêuticas vêm testar vacinas no Brasil

+ Namorada de Marco Verratti exibe fotos sensuais

+ Lívia Andrade posa de fio dental

+ Auxílio emergencial: Caixa credita hoje parcela para nascidos em janeiro

+ Google permite ver animais em 3D com realidade aumentada

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?