Mundo

China considera “inaceitáveis” medidas americanas contra a imprensa do país

Crédito: AFP

O porta-voz do ministério das Relações Exteriores da China, Geng Shuang (Crédito: AFP)

A China classificou como “inaceitáveis” as novas regras impostas pelos Estados Unidos aos veículos estatais de imprensa chineses, que serão tratados como missões diplomáticas para contra-atacar o que as autoridades americanas consideram propaganda de Pequim.

“Estados Unidos sempre defenderam a liberdade de imprensa, mas interferem e dificultam o bom funcionamento da mídia chinesa nos Estados Unidos”, declarou o porta-voz do ministério das Relações Exteriores, Geng Shuang.

+ China expulsará três repórteres do WSJ por manchete considerada “racista” sobre epidemia
+ China: número de casos de coronavírus recua pelo 2º dia seguido

“Nos reservamos o direito de uma resposta no âmbito da questão”, completou.

Cinco meios de comunicação, incluindo a agencia de noticias Xinhua e o canal de televisão de língua inglesa CGTN, precisam a partir de agora da aprovação do Departamento de Estado americano para comprar imóveis nos Estados Unidos.

Também terão que apresentar listas de todos os seus funcionários, incluindo cidadãos americanos, indicou o Departamento de Estado.

O governo afirmou, no entanto, não vai aplicar nenhuma restrição às atividades jornalísticas chinesas em território americano.

“Expressamos nosso profundo descontentamento e nossa firme oposição”, destacou Geng Shuang, antes de declarar que os meios de comunicação chineses sempre realizaram seu trabalho “de acordo com os princípios de objetividade, equidade, verdade e exatidão”.

Funcionários do Departamento de Estado, que informaram os cinco veículos de comunicação sobre as novas regras na manhã de terça-feira, afirmaram que a China reforçou o controle sobre os meios de comunicação desde que o presidente Xi Jinping assumiu o poder em 2013.

“Não se discute que as cinco entidades são parte do aparato de notícias de propaganda do Estado-partido (chinês) e recebem ordens diretas do topo”, declarou uma fonte americana a repórteres sob condição de anonimato.

“Todos sabemos que sempre foram controlados pelo Estado, mas este controle foi reforçado ao longo do tempo e suas atividades fora dos Estados Unidos se tornaram muito mais agressivas”, completou.

As outras três organizações afetadas pela medida são a Rádio Internacional da China e os distribuidores do jornal oficial chinês Diário do Povo e o China Daily, outro jornal do Partido Comunista Chinês, mas publicado em inglês.

Veja também

+ Receita abre consulta a segundo lote de restituição de IR, o maior da história
+ Homem encontra chave de fenda em pacote de macarrão
+ Baleias dão show de saltos em ilhabela, veja fotos!
+ 9 alimentos que incham a barriga e você não fazia ideia
+ Modelo brasileira promete ficar nua se o Chelsea for campeão da Champions League
+ Cuide bem do seu motor, cuidando do óleo do motor
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança