Economia

China aprova lei sobre exportações para proteger segurança nacional

China aprova lei sobre exportações para proteger segurança nacional

Nova lei entrará em vigor em dezembro e permite a Pequim "tomar medidas recíprocas" contra países que abusam dos controles de exportação - AFP

A China aprovou uma lei que limita as exportações sensíveis para proteger sua segurança nacional, mais um dispositivo que se somará às medidas que poderá usar contra os Estados Unidos no contexto de tensão crescente entre as duas potências.

Aprovada pelo Parlamento chinês no sábado (17), a lei está prevista para entrar em vigor em 1º de dezembro. Com ela, Pequim poderá “tomar medidas recíprocas” contra países que descumprirem os controles de exportação – o que supõe uma ameaça à segurança nacional.

Os dados técnicos dos produtos mencionados na lei também estarão sujeitos a controles de exportação.

A medida adotada por Pequim dá mais margem de manobra ao governo chinês para responder ao presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em sua guerra contra as empresas chinesas de tecnologia.

Recentemente, a Casa Branca aplicou sanções aos aplicativos TikTok e WeChat, à gigante chinesa das telecomunicações Huawei e ao fabricante de chips Semiconductor Manufacturing International Corp (Smic).

“Destinada a salvaguardar interesses e segurança nacionais”, a medida se soma ao arsenal de regulamentações já em vigor na China e que inclui restrições às exportações de tecnologia avançada e uma lista de empresas consideradas pouco confiáveis.

“Quando um país, ou região, não cumpre as medidas de controle de exportação e coloca em risco a segurança nacional e os interesses da República Popular da China, [a China] pode tomar medidas recíprocas”, diz a lei.

A lei especifica que as autoridades chinesas estabelecerão, “a seu devido tempo”, uma lista de controle das exportações dos produtos em questão.

Cidadãos estrangeiros e empresas estrangeiras também podem ser responsabilizados por violação das normas de controle das exportações.

As relações comerciais entre Pequim e Washington se deterioraram desde que o governo Trump entrou em uma guerra comercial com Pequim em 2018, resultando em tarifas recíprocas sobre muitos produtos.

Veja também

+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial

+ Ivete Sangalo salva menino de afogamento: “Foi tudo muito rápido”

+ Bandidos armados assaltam restaurante na zona norte do RJ
+ Mulher é empurrada para fora de ônibus após cuspir em homem
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?