Edição nº 1103 11.01 Ver ediçõs anteriores

Cheiro de luz

Cheiro de luz

A primeira lamparina Lampe Berger foi criada em 1898 pelo boticário francês Maurice Berger para purificar o ar em enfermarias de hospitais. Atualmente, o objeto, semelhante a um frasco de perfume, é utilizado em ambientes domésticos. Ao acender o pavio imerso no óleo perfumado, o calor dispersa o aroma. O modelo Vibration faz parte da edição limitada Editions D’Art da Lampe Berger. As fragrâncias utilizadas são elaboradas por mestres perfumistas de Grasse, capital dos perfumes da França, seguindo as normas de qualidade dos órgãos farmacológicos. O objeto pode ser encontrado nas lojas da marca e custa a partir de R$ 7,5 mil.

(Nota publicada na Edição 1082 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Bia Doria leva “Tropicaos” ao Palácio Tangará

A artista plástica Bia Doria, esposa do governador de São Paulo, João Doria, abre um novo espaço para exposições no Palácio Tangará, um [...]

Um leilão de arte em benefício da própria arte

As obras do colecionador e consultor David Teiger vão à leilão na Sotheby’s no próximo dia 15. Teiger, que morreu em 2014, fez parte do [...]

Tenha o seu próprio vinhedo

Produzir os próprios vinhos no quintal de casa é um privilégio para poucos, mas pode estar ao seu alcance, se você estiver disposto a [...]

Cartier relança coleção histórica

A Cartier divulgou a releitura de uma coleção que fez sucesso em 1975. Após 40 anos, as joias feitas para a atriz mexicana Maria Félix, [...]

Vem, meteoro! (Mas vem de BMW…)

Desta vez, a BMW foi longe demais. A montadora alemã buscou recursos no espaço para fazer o BMW Individual M850i xDrive Coupe Night [...]
Ver mais
X

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.