Edição nº 1117 18.04 Ver ediçõs anteriores

Cheiro de luz

Cheiro de luz

A primeira lamparina Lampe Berger foi criada em 1898 pelo boticário francês Maurice Berger para purificar o ar em enfermarias de hospitais. Atualmente, o objeto, semelhante a um frasco de perfume, é utilizado em ambientes domésticos. Ao acender o pavio imerso no óleo perfumado, o calor dispersa o aroma. O modelo Vibration faz parte da edição limitada Editions D’Art da Lampe Berger. As fragrâncias utilizadas são elaboradas por mestres perfumistas de Grasse, capital dos perfumes da França, seguindo as normas de qualidade dos órgãos farmacológicos. O objeto pode ser encontrado nas lojas da marca e custa a partir de R$ 7,5 mil.

(Nota publicada na Edição 1082 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Tenha uma Bugatti na sala de casa

A fabricante de automóveis francesa Bugatti quer comemorar seus 110 anos além das pistas – e com muito estilo. No Salone Del Mobile, [...]

Um lar pra chamar de palácio na África do Sul

Está listada na Sotheby’s International Realty uma casa de estilo palaciano – não apenas na arquitetura, mas também em tamanho. A [...]

Cobiçado Mercedes 300 SL 1955 de Adam Levine é vendido por US$ 1,5 milhão

O Mercedes-Benz 300 SL Gullwing 1955 que foi propriedade do vocalista da banda Maroon 5, Adam Levine, acaba de ser arrematado por US$ [...]

Iate do príncipe Rainier vai a leilão

O iate Riva Tritone, no qual o príncipe Rainier III e sua esposa Grace Kelly costumavam ser vistos navegando em Mônaco e na Côte [...]

O hotel para todos os gostos

O Les Sources de Caudalie, hotel 5 estrelas nos vinhedos do Château Smith Haut Lafitte, produtor dos melhores Bordeaux do mundo, tem [...]
Ver mais

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.