Edição nº 1048 08.12 Ver ediçõs anteriores

A chance de ter um Da Vinci

A chance de ter um Da Vinci

Em novembro, o mundo das artes irá presenciar um evento raríssimo: o leilão de um quadro de Leonardo Da Vinci. A obra Salvator Mundi, que retrata Jesus Cristo como um homem renascentista, será colocada à venda pela Christie’s, de Nova York. Seu atual proprietário, o bilionário russo Dmitry Rybolovlev, espera alcançar um valor superior a US$ 100 milhões. Da Vinci teria pintado o retrato por volta do ano de 1500. A má conservação, no entanto, levantava dúvidas quanto a sua autenticidade.

Na década de 1950, ele chegou a ser vendido por apenas US$ 125 em um leilão da Sotheby’s, que o classificou como sendo “da escola de Da Vinci”. Em 2005, um grupo de especialistas comprovou sua autenticidade. O quadro, então, foi comprado por US$ 80 milhões, de forma privada, pelo suíço Yves Bouvier, um negociador de arte que, na mesma época, convenceu Rybolovlev a pagar US$ 125 milhões pela obra. O russo acabou processando Bouvier por fraude e resolveu se desfazer da obra. O caso ainda está na Justiça.

(Nota publicada na Edição 1040 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Diamante da paz

Um dos maiores diamantes brutos já encontrados no mundo, com mais de 700 quilates e do tamanho aproximado de um ovo, foi leiloado por [...]

Fendi no bagageiro

A grife italiana Fendi, em colaboração com a fabricante alemã de bagagens Rimowa, lançou uma mala de mão com acabamento em alumínio e [...]

Reveillon no iate

Passar a virada do ano em Miami a bordo de um iate avaliado em US$ 11 milhões, ao lado de celebridades, pode ser uma opção para quem [...]

Salto alto

Uma nova grife europeia acaba de desembarcar no Brasil: a René Caovilla, fabricante italiana de calçados de luxo fundada em 1934 e [...]

Mundo invertido

Há oito anos o hotel Claridge’s, em Londres, escolhe um designer renomado para fazer sua árvore de Natal. A deste ano ficou sob [...]
Ver mais

Copyright © 2017 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.