Estilo

C’est fermé

Para frustração de enófilos do mundo inteiro, a Lavinia Madeleine, maior loja de vinhos da França, fecha as portas Após quase duas décadas de inovações e sucesso.

Crédito: Jacques Demarthon

Em 2002, ao se instalar no Boulevard de la Madeleine, maior reduto gastronômico de Paris, a primeira filial da Lavinia na França, fundada três anos antes em Madri por dois empresários franceses, revolucionou a forma de distribuir e comercializar vinhos no país. O nome, italiano, foi escolhido pela fácil pronúncia em vários idiomas ­— e por soar, em espanhol, como la viña, o vinhedo. Desde a inauguração, provou ser uma das lojas de vinho mais inovadoras e bem-sucedidas do planeta. Para muitos, a melhor. Até fechar as portas, na noite de sábado (9), seguindo o anúncio feito na véspera. C’est fermé.

O encerramento das atividades surpreendeu os amantes do vinho. Com 1,5 mil m2 em três andares, a loja oferecia uma variedade surpreendente de rótulos, dos clássicos franceses aos arrojados e premiados exemplares do novo mundo. Os preços partiam de € 3 e chegavam aos € 36 mil a garrafa. As vendas eram feitas pelo sistema de autoatendimento assistido, com sommeliers sempre ao alcance dos clientes. Havia oferta de bebida para consumo em taças, uma área de livros e outra de acessórios.

Se o início não pareceu dos mais animadores em termos de rentabilidade, o modelo foi aos poucos conquistando turistas e os próprios parisienses. Com cerca de 6 mil rótulos, a loja abriu espaço para um bar voltado para degustações harmonizadas com tapas (especialidades espanholas para “beliscar”) a qualquer hora do dia, além de um restaurante concorridíssimo, com vinhos vendidos a preço da loja. Parecia uma ameaça até à rede Nicolás, fundada em 1822 e que tem uma filial a 350 metros dali.

Seguiu-se uma segunda unidade na capital francesa, na região de La Défense. Por meio da subsidiária Vins du Monde, a Lavinia passou a distribuir vinhos para restaurantes. Lançou-se no negócio de presentes corporativos, entregas em domicílio e foi pioneira em vender vinhos on-line. Vieram novas lojas em Madri e Barcelona, além de franquias na Ucrânia e uma subsidiária em Hong Kong. Mas a loja da Madeleine ainda era o carro-chefe. Em 2015, dos € 40 milhões em vendas, € 17 milhões foram dos caixas dali. Uma parte, graças ao público brasileiro, que por vários anos gastou mais que americanos, russos ou chineses.



SEM COMPRADORES Entre os motivos apontados para o fechamento da megaloja estão as sucessivas manifestações dos “coletes amarelos” e as restrições impostas pela Covid-19, que afastaram clientes locais e turistas da região. A venda de vinhos para restaurantes também teve de ser cancelada devido à pandemia. No ano passado, a Fauchon, boutique gourmet mais luxuosa de Paris, instalada na Plade de Madeleine desde 1886, não resistiu às baixas provocadas pela quarentena. Entrou em processo de recuperação judicial e fechou duas lojas na região (restaram, na Madeleine, apenas a casa de chá e o café da marca). Parecia um prenúncio do destino da Lavinia. Ainda em 2020, a unidade da marca em La Défense foi fechada e a subsidiária Vins du Monde, vendida.

Em comunicado, o casal que comanda o grupo (a atual presidente, Charlotte Servant, filha de um dos fundadores, e seu marido, Mathieu Le Priol, diretor-geral) informou que não se trata do encerramento da operação de varejo da Lavinia. Uma nova loja da marca será inaugurada em até 18 meses em outro distrito de Paris.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel