Negócios

CEO e fundador da Huawei diz que China não deve retaliar a Apple

Em entrevista, Ren Zhengfei defendeu e elogiou a rival. Sanções do governo dos EUA ameaçam crescimento da chinesa

CEO e fundador da Huawei diz que China não deve retaliar a Apple

Fundador da Huawei, Ren Zhengfei, conversa com o presidente chinês, Xi Jinping

O CEO da Huawei, Ren Zhengfei, reprovou a ideia da China retaliar a Apple em resposta as sanções e dificuldades impostas pelo governo dos Estados Unidos à companhia de telecomunicação asiática. Em entrevista à Bloomberg, o empresário defendeu e elogiou a rival.

“Antes de tudo, isso não acontecerá, e depois, se acontecer, eu serei o primeiro a protestar”, disse ele. “A Apple é minha professora, está avançando na nossa frente. Como estudante, por que eu deveria me opor à minha professora?”.

O departamento de comércio dos EUA colocou a Huawei na lista de empresas que companhias nacionais devem requerer autorização especial para fazer negócios, com base em leis de segurança interna. A medida foi usada pelo Google como justificativa para romper o fornecimento do sistema Android aos smartphones da chinesa. Na última semana, a Microsoft também retirou os notebooks da Huawei da sua loja virtual.

Para analistas do mercado, a ação dos norte-americanos ameaça o constante crescimento da Huawei em se tornar a maior fabricante de smartphones no mundo. A companhia já ultrapassou a Apple e perde a liderança apenas para a sul-coreana Samsung. No mercado chinês – o maior do mundo -, a Huawei teve alta de 41% nas vendas do primeiro trimestre, enquanto a rival Apple teve baixa de 30% no mesmo período, segundo dados da Canalys.



Boa parte do impulso foi parte de uma campanha anti-Estados Unidos iniciada pelo governo da China após as primeiras rusgas entre a Huawei e os norte-americanos, no segundo semestre do ano passado. A escalada da guerra comercial entre os dois países também reflete diretamente no mercado. No mês passado, o CEO da Apple, Tim Cook, se mostrou preocupado com a situação e disse que as vendas do iPhone na China devem melhorar na mesma proporção que avançarem as negociações entre Pequim e Washington.

 

 

Veja também
+ Até 2019, havia mais gente nas prisões do que na bolsa de valores do Brasil
+ Geisy reclama de censura em rede social: “O Instagram tá me perseguindo”
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Nicole Bahls já havia sido alertada sobre infidelidade do ex-marido
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago