Giro

Celulares são as “iscas” mais frequentes em fraudes no comércio eletrônico

Crédito: Pixabay

O golpe da compra confirmada é o mais comum (Crédito: Pixabay )



Os celulares são os produtos com mais fraudes no comércio eletrônico. Os fraudadores costumam anunciar os produtos cerca de 14% mais baratos do que os anúncios idôneos para atrair as vítimas, segundo o levantamento da OLX, plataforma de compra e venda online e do AllowMe, de proteção de identidades digitais. Em todo o país, o total de fraudes chegou a R$ 62,9 milhões. Os celulares representam 48%, seguidos por videogames (20%) e computadores (11%). As informações são do portal Extra.

O golpe da compra confirmada é o mais comum, quando um fraudador se passa por comprador, finge que fez o pagamento para resgatar o produto e envia um falso comprovante.

No caso do anúncio falso, o golpista oferece um produto inexistente, recebe o dinheiro, mas não envia a mercadoria.

“O celular é um produto muito visado porque é de alto valor agregado, fácil de manusear e de revender. E no topo da lista está o iPhone, disse Beatriz Soares, diretora de Produto e Operações da OLX.




Datafolha: 1 em cada 4 brasileiros não tem comida suficiente

“Em geral, são quadrilhas especializadas. Eles entram em contato com muita gente, porque sabem que muitos não cairão no golpe. Eles agem em escala. Geralmente, são pessoas especializadas em cada processo e testam os golpes”, afirma Pamela Prevedel, engenheira e líder de Produtos do AllowMe.

O usuário, comprador ou vendedor, pode utilizar a própria plataforma de marketplace para reclamar. Beatriz Castilho Costa, pesquisadora do Centro de Tecnologia e Sociedade (CTS) da FGV Direito Rio, disse ao Extra que se a vítima seguiu todas as orientações da plataforma na negociação, o site pode ressarcir o prejuízo do consumidor:


“Toda a comunicação deve ser feita por meio da plataforma, no chat. Em geral, quando esse tipo de fraude acontece, as pessoas saem da plataforma. O que chega aos tribunais é que as tratativas começaram no sistema e terminaram de outra forma e isso dificulta comprovar a responsabilidade do site”, disse Costa.

Em caso de fraude, o suposto comprador pode enviar documentos falsos para comprovar o pagamento. Nesse caso, quando a vítima percebe o golpe, o fraudador já está com o produto e deixa de responder às mensagens.

Para prevenir o problema, o produto só deve ser entregue após a confirmação do depósito em conta bancária ou carteira digital.

Para evitar anúncio falso, prefira negociar diretamente pelas plataformas com a opção de pagar/receber o valor e o delivery do produto.