Mundo

CDC apoia dose de reforço para adultos de alto risco, idosos e trabalhadores dos EUA

CDC apoia dose de reforço para adultos de alto risco, idosos e trabalhadores dos EUA

Rochelle Walensky, diretora do CDC dos EUA

Por Michael Erman e Manas Mishra

(Reuters) – O Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA manifestou apoio nesta sexta-feira a uma dose de reforço da vacina contra Covid-19 da Pfizer/BioNTech para norte-americanos com 65 anos ou mais, adultos com comorbidades e adultos em ambientes institucionais e de trabalho de alto risco.

A decisão da diretora do CDC, Rochelle Walensky, está alinhada com a autorização da Agência de Alimentos e Medicamentos (FDA) dos EUA no início desta semana e segue um anúncio de agosto de uma ampla implementação de reforço na vacinação feito por ela e outras autoridades de saúde dos EUA.

A recomendação do CDC abriu caminho para que as doses de reforço fossem iniciadas nesta sexta-feira. Walgreens Boots Alliance e Walmart disseram nesta sexta que as doses estavam disponíveis imediatamente para indivíduos elegíveis. Elas também serão aplicadas em unidades de cuidados de longo prazo e centros de vacinação.



A decisão de Walensky partiu de uma recomendação na quinta-feira de um grupo de consultores externos para a agência, que havia dito que um grupo menor de pessoas deveria receber a injeção extra. A diretoria do CDC não é obrigada a seguir o conselho do painel.

“Foi uma decisão científica difícil. Nessa situação, era minha decisão”, disse ela a repórteres em uma entrevista coletiva na Casa Branca.

O painel consultivo excluiu especificamente pessoas em empregos de alto risco e pessoas em condições de vida precárias devido, em parte, a preocupações sobre um raro efeito colateral de inflamação cardíaca que ocorreu principalmente em homens mais jovens. Os integrantes do painel também estavam preocupados que a recomendação seria muito ampla para implementar de forma eficaz.

Walensky disse que a política protege os trabalhadores da saúde e da linha de frente, bem como as comunidades religiosas e minorias étnicas desproporcionalmente impactadas pela pandemia.

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH8N137-BASEIMAGE

Veja também
+ Como podcasts podem ajudar na educação financeira do brasileiro
+ Mistério: mulher descobre que não é a mãe biológica de seus próprios filhos
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Veja quanto custa comer nos restaurantes dos jurados do MasterChef
+ Leilão de carros e motos tem desde Kombi a Nissan Frontier 0km