Giro

CCJ aprova admissibilidade da PEC dos Precatórios

Crédito: REUTERS/Paulo Whitaker

Vista do prédio do Congresso Nacional em Brasília (Crédito: REUTERS/Paulo Whitaker)

BRASÍLIA (Reuters) – A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados aprovou nesta quinta-feira a admissibilidade da PEC dos Precatórios, primeiro passo na tramitação da proposta, que agora segue para uma comissão especial responsável pela análise de seu mérito.



A análise da admissibilidade é um exame preliminar feito pela CCJ, que avalia se a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) fere critérios constitucionais, legais, regimentais e de técnica legislativa.

Ao apresentar seu parecer pela admissibilidade da proposta, o relator, deputado Darci de Matos (PSD-SC), lembrou que a discussão dos temas controversos que integram a proposta serão debatidos na comissão especial.

BRF anuncia projeto em energia renovável; vê economia de R$1,7 bi em 15 anos

Da mesma forma, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), afirmou na quarta-feira que a comissão especial poderá fazer as alterações necessárias e sugeriu, inclusive, que possam ser acatadas sugestões do ministro do Tribunal de Contas da União (TCU) Bruno Dantas, do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Luiz Fux, e do ministro Gilmar Mendes, também do STF. E a partir daí, deputados e senadores chegariam a um formato final para o controverso problema.



A PEC encaminhada pelo governo, que teve sua admissibilidade aprovada nesta quinta na CCJ, divide em dez parcelas o pagamento dos precatórios de mais de 66 milhões de reais e impõe uma limitação provisória dos pagamentos anuais de precatórios a 2,6% da receita corrente líquida, o que também sujeitará precatórios entre 66 mil reais e 66 milhões de reais a eventual parcelamento. Pelo texto, os precatórios de até 66 mil reais serão integralmente quitados.

Lira e a equipe econômica vinham trabalhando em uma outra frente alinhavada com o STF, a chamada solução CNJ, que previa limitar o crescimento dessas despesas pela regra do teto de gastos por meio de uma regulamentação do CNJ. Mas o arranjo recebeu um balde de água fria e partiu-se, então, para uma solução para o problema via Legislativo.

 

(Reportagem de Maria Carolina Marcello)

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH8G00D-BASEIMAGE


Veja também
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Vídeo: Motorista deixa carro Tesla no piloto automático e dorme em rodovia de SP
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Lago Superior: a melhor onda de água doce do mundo?