Giro

Casos de demência quase triplicarão no mundo todo até 2050, diz estudo

Crédito: Reprodução/Pexels

Em 2050, 16% da população mundial terá pessoas com mais de 65 anos. Isso se compara a 8% em 2010, de acordo com o Instituto americano do Envelhecimento (Crédito: Reprodução/Pexels)

O total global de pessoas que vivem com demência aumentará quase três vezes até 2050, segundo pesquisa da Escola de Medicina da Universidade de Washington, nos Estados Unidos. Casos devem aumentar de cerca de 57,4 milhões em 2019 para cerca de 152,8 milhões em 2050, impulsionados principalmente pelo crescimento e envelhecimento da população.

“Isso enfatiza a necessidade vital de pesquisas focadas na descoberta de tratamentos modificadores da doença e intervenções eficazes de baixo custo para a prevenção ou retardo do início da demência”, disse a pesquisadora Emma Nichols, da Escola de Medicina da Universidade de Washington.

+ Queiroga apela a brasileiros com imunização atrasada que tomem 2ª dose

Em 2050, 16% da população mundial terá pessoas com mais de 65 anos. Isso se compara a 8% em 2010, de acordo com o Instituto Nacional do Envelhecimento dos Estados Unidos.



Os pesquisadores disseram que os maiores aumentos na demência devem ocorrer no leste da África subsaariana, no norte da África e no Oriente Médio.

Embora as tendências positivas no acesso à educação em todo o mundo devam resultar em 6,2 milhões de casos de demência a menos até 2050, o tabagismo, o excesso de peso e o alto nível de açúcar no sangue devem aumentar os casos em 6,8 milhões.

As projeções, que vão de 1999 a 2019, são baseadas em dados do estudo Global Burden of Disease (GBD), um conjunto de estimativas de tendências de saúde em todo o mundo.

As descobertas foram apresentadas na terça-feira em uma reunião da Associação de Alzheimer, realizada em Denver e online. A pesquisa apresentada em reuniões é normalmente considerada preliminar até ser publicada em um periódico revisado por pares.

“As melhorias no estilo de vida de adultos em países desenvolvidos e outros lugares – incluindo o aumento do acesso à educação e maior atenção aos problemas de saúde cardíaca – reduziram a incidência nos últimos anos, mas o número total de demências ainda está aumentando devido ao envelhecimento da população. população “, disse Maria Carrillo, diretora científica da Associação de Alzheimer.

“Além disso, a obesidade, o diabetes e o estilo de vida sedentário em pessoas mais jovens estão aumentando rapidamente e são fatores de risco para a demência”, acrescentou ela em um comunicado à imprensa.

Nichols disse que essas estimativas ajudariam os formuladores de políticas e tomadores de decisão a entender melhor os aumentos esperados na demência e o que os está causando.

Sua equipe usou os mesmos dados para estimar que as taxas de mortalidade da doença de Alzheimer aumentaram 38% em todo o mundo entre 1990 e 2019. Esse estudo foi publicado no ano passado no Alzheimer’s & Dementia: The Journal of the Alzheimer’s Association .

Carrillo disse que os números crescerão além de 2050 sem tratamentos eficazes para parar, desacelerar ou prevenir o Alzheimer e toda a demência. Isso afetará indivíduos, cuidadores, sistemas de saúde e governos.

“Além da terapêutica, é fundamental descobrir intervenções adaptadas culturalmente que reduzem o risco de demência por meio de fatores de estilo de vida, como educação, dieta e exercícios”, disse Carrillo.

Veja também
+ Até 2019, havia mais gente nas prisões do que na bolsa de valores do Brasil
+ Geisy reclama de censura em rede social: “O Instagram tá me perseguindo”
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Nicole Bahls já havia sido alertada sobre infidelidade do ex-marido
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago