Economia

Casa Civil fala em mínimo de vetos e promete blindar orçamento secreto na sanção

Após aumentar o poder sobre o Orçamento de 2022, a Casa Civil afirmou que há um esforço do governo do presidente da República, Jair Bolsonaro, para sancionar a peça orçamentária deste ano com um “mínimo de vetos” sem tocar nas emendas de relator, verbas que estão no centro do orçamento secreto. Bolsonaro tem até o dia 21 de sancionar para sancionar o Orçamento.



Em um podcast oficial da pasta, o secretário-executivo da Casa Civil, Jônathas Castro, afirmou que o governo identificou a necessidade de recompor aproximadamente R$ 3 bilhões em despesas de pessoal, que são programações obrigatórias, e por isso terá que vetar alguns recursos, mas sem afetar as chamadas emendas RP-9.

“A gente está fazendo todo o esforço para não ter que afetar em nada outras rubricas que possam, por exemplo, afetar a relação do Legislativo com o Executivo e eu falo especificamente do RP-9. Se falou esta semana em algumas matérias, mas já existe uma diretriz que nós não vamos nessa direção”, afirmou o número 2 do ministro Ciro Nogueira.

O Orçamento foi aprovado pelo Congresso com um total de R$ 16,480 bilhões de recursos carimbados pelo orçamento secreto. O valor foi negociado com o Ministério da Economia. A equipe econômica, no entanto, reagiu a aprovação de outras verbas que teriam sido negociadas “por fora”, sem aval da pasta e do próprio Palácio do Planalto. Essas despesas entraram no alvo dos vetos.

O relator do Orçamento, deputado Hugo Leal (PSD-RJ), incluiu um total de R$ 10,7 bilhões em verbas sob controle dos ministérios, após acordos envolvendo os ministros das pastas e os parlamentares. Ainda não há identificação, porém, de quais recursos entrarão no corte durante a sanção do Orçamento.

+ O economista Paulo Gala revela os caminhos para investir bem em 2022



Conforme decreto assinado nesta semana pelo presidente Jair Bolsonaro e pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, a Casa Civil passará a dar aval e ter o poder de vetar as decisões que fazem parte do dia a dia do governo federal na gestão dos recursos públicos.

Durante a gravação, o subchefe de Análise Governamental da Casa Civil, Eduardo Aggio, admitiu o caráter político da decisão. “Temos uma convergência de duas visões, a primeira é a visão econômica e a segunda é a visão política. É natural que qualquer ato as políticas públicas, de que forma você aloca isso dentro do governo, passem por uma visão do centro de governo, que naturalmente é função precípua da Casa Civil.”

Ainda de acordo com Aggio, o poder da pasta garantirá a efetividade das decisões tomadas na Junta de Execução Orçamentária (JEO) e também a divisão do ônus das decisões entre a equipe econômica e a ala política.


Saiba mais
+ SP: Homem morre em pé, encostado em carro, e cena assusta moradores no litoral
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ Andressa Urach pede dinheiro na internet: ‘Me ajudem a pagar a fatura do meu cartão’
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto