Cartão de embarque

Presente nos Estados Unidos desde 2016, a brasileira ClearSale, empresa de gestão de fraudes de cartão de crédito no e-commerce, acaba de abrir um escritório no México. Hoje, 3% da da sua receita vêm do exterior, com uma base de 400 clientes, que inclui nomes como Asus e Timex. Para 2018, a projeção é faturar R$ 170 milhões. A ClearSale avalia ainda investir em uma nova operação, na Austrália, em dois anos. E busca um fundo para comprar até 30% da companhia. “Queremos um parceiro que catalise a nossa expansão internacional”, diz Bernardo Lustosa, CEO e cofundador da empresa.

(Nota publicada na Edição 1094 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Novo visual

Para comemorar os 15 anos do aplicativo de mapas, a Google Maps está de cara nova. Com o debute, o ícone do App foi modernizado pela [...]

Ruptura de padrão

Líderes de 740 empresas de tecnologia espalhadas pelo mundo apontam que a Amazon e a Apple são as companhias mais disruptivas, aponta estudo internacional da KPMG, rede global de firmas independentes que prestam serviços de Audit, Tax e Advisory. Alibaba, DJI, Google, Netflix, Airbnb, Microsoft, Facebook e Baidu completam as dez principais empresas citadas na […]

Fotos para wallpaper

O Google Earth disponibilizou mais de 1 mil fotos tiradas por satélites para os usuários colocarem como papel de parede em computadores [...]

Alô, consumidor!

A Claro assumiu a liderança no ranking de 2019 dos serviços de telefonia pré e pós-paga da Pesquisa de Satisfação e Qualidade Percebida, realizada pela Anatel junto a 90 mil consumidores brasileiros. Em 2018, a empresa era a quarta colocada em pré e terceira em planos pós-pago. A Oi obteve os piores resultados. O relatório […]

R$ 75 milhões para startups

Fundo de venture capital com foco em empresas tecnológicas early stage, a Caravela Capital vai investir R$ 75 milhões em até 20 [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.