Cartão de embarque


Presente nos Estados Unidos desde 2016, a brasileira ClearSale, empresa de gestão de fraudes de cartão de crédito no e-commerce, acaba de abrir um escritório no México. Hoje, 3% da da sua receita vêm do exterior, com uma base de 400 clientes, que inclui nomes como Asus e Timex. Para 2018, a projeção é faturar R$ 170 milhões. A ClearSale avalia ainda investir em uma nova operação, na Austrália, em dois anos. E busca um fundo para comprar até 30% da companhia. “Queremos um parceiro que catalise a nossa expansão internacional”, diz Bernardo Lustosa, CEO e cofundador da empresa.

(Nota publicada na Edição 1094 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Plataforma Kzas zera comissão até junho

Imobilizar patrimônio numa época como a atual é tarefa para quem tem excesso de liquidez. Para dar velocidade ao mercado, a plataforma [...]

Bem-vindo ao planeta dos macacos, onde nada se cria e tudo se copia

E reina a mesmice. Como é praticamente inviável analisar a internet toda e seus mais de 1 bilhão de endereços, acrescentados de páginas [...]

VR permite pagamento 100% on-line

Usar a tecnologia para atravessar a pandemia tem feito vários segmentos darem um salto no serviço oferecido. Em época de guerra, muitas [...]

Ingram é nova distribuidora Warner Bros Games no Brasil

Distribuidora de franquias de marcas como Sony PlayStation e Microsoft Xbox, a Ingram Micro Brasil anuncia que será responsável também pelos jogos da Warner Bros Games (WB Games) no País. “Com o acordo, reforçamos nossa presença nos canais gaming, oferecendo séries como Fifa, Just Dance, Lego, Need for Speed, Resident Evil e Star Wars, entre […]

Amazon vai vender protetor facial

Comprar itens de proteção durante a pandemia global provocada pelo novo coronavírus levou inúmeros comerciantes a alavancar seus preços [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.