Edição nº 1103 11.01 Ver ediçõs anteriores

“Carruagem” real

“Carruagem” real

A família real britânica está colocando um pouco da sua história sobre rodas à venda. O Rolls Royce Phantom IV, fabricado em 1950, foi usado pelo clã entre 1959 a 2002. Foram produzidos apenas 18 carros deste modelo, que tem uma particularidade: bancos altos e janelas grandes para o público ter melhor visibilidade da rainha Elizabeth II. O leilão acontece em 8 de setembro na casa londrina Bonhams, junto com outros Rolls Royce usados pela família – inclusive o carro do casamento do Príncipe Harry e Meghan Markle (foto). Os oito carros devem arrecadar US$ 6,4 milhões.

(Nota publicada na Edição 1082 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Bia Doria leva “Tropicaos” ao Palácio Tangará

A artista plástica Bia Doria, esposa do governador de São Paulo, João Doria, abre um novo espaço para exposições no Palácio Tangará, um [...]

Um leilão de arte em benefício da própria arte

As obras do colecionador e consultor David Teiger vão à leilão na Sotheby’s no próximo dia 15. Teiger, que morreu em 2014, fez parte do [...]

Tenha o seu próprio vinhedo

Produzir os próprios vinhos no quintal de casa é um privilégio para poucos, mas pode estar ao seu alcance, se você estiver disposto a [...]

Cartier relança coleção histórica

A Cartier divulgou a releitura de uma coleção que fez sucesso em 1975. Após 40 anos, as joias feitas para a atriz mexicana Maria Félix, [...]

Vem, meteoro! (Mas vem de BMW…)

Desta vez, a BMW foi longe demais. A montadora alemã buscou recursos no espaço para fazer o BMW Individual M850i xDrive Coupe Night [...]
Ver mais
X

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.