Economia

Carnival perde US$ 4,4 bi e vai vender seis navios

Crédito: AFP

Duas mulheres em frente a um cruzeiro da Carnival em Nassau, Bahamas, em 29 de abril de 2019 (Crédito: AFP)

Afetada pela devassa que a covid-19 provocou na indústria de cruzeiros, a Carnival planeja vender seis de seus navios após relatar uma perda de US$ 4,4 bilhões no primeiro trimestre de 2020.

Segundo o Business Insider, a empresa, que inclui grandes linhas de cruzeiros como a Cunard, P&O e Princess Cruises, informou nesta quinta-feira (18) que estava “acelerando” as vendas planejadas dos navios.

+ Canadá proíbe entrada de cruzeiros no país até outubro
+ Tripulantes de cruzeiros parados em alto mar enfrentam tortura psicológica

A empresa reportou uma queda maciça de suas receitas nos três meses que se encerraram em 31 de maio, arrecadando US$ 700 milhões. Na comparação com o mesmo período de 2019, a Carnival havia arrecadado US$ 4,8 bilhões.

A companhia disse que não consegue prever quando os cruzeiros voltarão ao normal, tornando impossível fazer uma previsão de ganhos.

Com o coronavírus atingindo diretamente navios que estavam no mar, ainda em março, a companhia deixou a possibilidade dos clientes adiarem suas viagens, mas boa parte acabou cancelando essas reservas e pedindo o reembolso.

O custo de manutenção de um navio custa em torno de US$ 250 milhões por mês e, além disso, cerca de 21 mil funcionários estão presos em 49 navios espalhados pelo mundo que não podem atracar devido a restrições governamentais.

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel