Carga perigosa

Carga perigosa

Os Correios vão adotar um processo mais rigoroso para o envio de itens eletrônicos por encomendas. A estatal brasileira vai passar a limitar o envio de pacotes com produto que contenham baterias ou pilhas. Nesta seara estão dispositivos como notebooks, smartphones e tablets. A norma segue determinação da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), que, por questões de segurança, proíbe o transporte desse tipo de carga por aviões. Dessa forma, a partir de fevereiro não será possível despachar eletrônicos que se enquadrem nessa linha pelos serviços Sedex 10 e 12, que utilizam o frete aéreo. O envio poderá ser feito por outras modalidades, ou que dispensem serviços de aeronaves.

(Nota publicada na Edição 1104 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Se beber, não case. Se for casar, divirta-se

Organizar uma despedida de solteiro — ou de solteira — é mais uma tarefa que preocupa e atrapalha as pessoas que estão prestes a dizer [...]

Microsoft apoia empreendedorismo feminino no Brasil

As mulheres ainda não têm presença marcante no empreendedorismo digital – e isso não é segredo para ninguém. Elas são apenas 15,7% dos [...]

Celular, o preferido dos americanos para notícias

Cada vez mais usuários de internet leem notícias pelo smartphone, em detrimento de desktop e laptop. Pelo menos entre os [...]

Tubi, na Amazon

A plataforma de streaming de video Tubi agora está disponível nos dispositivos Amazon Echo Show. Claro, por enquanto, nos EUA. É o primeiro serviço de vídeo gratuito (financiado por anúncios) oferecido no streaming da Amazon. Agora, o usuário americano manda o Alexa – comando de voz do mega e-commerce – passar o filme. O Tubi […]

Sustômetro

O guia Mozilla dos dispositivos mais “assustadores” começa com esta pergunta: “O quão assustador (creepy) é aquele alto-falante [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.