Giro

Cardeal detido em Hong Kong comparece ao tribunal

Cardeal detido em Hong Kong comparece ao tribunal

Da esquerda para a direita: o professor universitário Hui Po-keung, o cardeal Zen, a advogada Margaret Ng e a cantora Denise Ho chegam ao tribunal de Hong Kong - AFP

O cardeal católico de 90 anos, Joseph Zen, compareceu nesta terça-feira (24) a um tribunal de Hong Kong, no qual foi acusado por não registrar corretamente um fundo de ajuda a manifestações pró-democracia nesta cidade.

Após seu comparecimento,o cardeal realizou, na presença de centenas de fiéis católicos, uma missa dedicada às igrejas da China continental.



Joseph Zen, um dos mais altos dignatários da Igreja Católica na Ásia, foi detido no início de maio com outras quatro personalidades do movimento pró-democrático em nome da lei de segurança nacional imposta por Pequim.

O grupo administrava um fundo, agora dissolvido, destinado a financiar a defesa dos militantes detidos durante as enormes manifestações pró-democracia de 2019.

As cinco personalidades foram detidas como “suspeitas de conspirar com países estrangeiros”, uma acusação que pode culminar em prisão perpétua sob esta lei imposta em 2020 para combater a dissidência.

+ Confira 10 receitas para reaproveitar ou turbinar o arroz do dia a dia


No entanto, o tribunal, por enquanto, manteve apenas a acusação de não ter registrado o fundo à polícia, uma infração não punível pela lei de segurança nacional e punível com multa de pouco mais de US$ 1.200, se for a primeira condenação.

Todos os réus se declararam inocentes nesta terça-feira. Seu processo será aberto em 19 de setembro.


A prisão do cardeal Zen provocou indignação nos países ocidentais, que acusam Pequim de não respeitar as liberdades prometidas à ex-colônia britânica em seu retorno à China em 1997.