Carbono neutro na Rhodia

Carbono neutro na Rhodia

A Rhodia (Grupo Solvay) fechou 2019 com um índice de 96% de redução de suas emissões de carbono no conjunto industrial químico de Paulínia (SP), onde funcionam 27 unidades produtivas. O total abatido equivale a retirar de circulação uma frota de 920 mil veículos movidos a gasolina. A empresa vai iniciar em 2020 um investimento de R$ 20 milhões em projetos com objetivo de tornar o conjunto industrial de Paulínia 100% neutro em carbono até 2025. “Poderíamos comprar créditos de compensação para alcançar os 100%, mas a decisão da empresa é investir cada vez mais em projetos voltados para ampliar a sustentabilidade dos nossos processos e produtos”, diz Daniela Manique, presidente do Grupo Solvay na América Latina.

(Nota publicada na edição 1158 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Energia automatizada

A distribuidora de energia Enel, sob comando do presidente Nicola Cotugno, investiu R$ 870 milhões para automatizar seu sistema de leitura e cobrança de consumo. No ano passado, o grupo instalou cerca de 20 mil equipamentos telecomandados, um aumento de 17% em relação ao ano anterior. O projeto focou São Paulo, Rio de Janeiro, Goiás […]

Dólar mais barato

Em tempos de dólar nas alturas, a corretora Meu Câmbio está apostando em uma nova plataforma para envio e recebimento de recursos com [...]

O novo fiador do BTG pactual

O BTG Pactual, maior banco de investimentos da América Latina, segue firme em sua estratégia de incorporar fintechs e expandir seus [...]

Eventos em alta

Uma das maiores agências de eventos do País, o Grupo MM está enxergando o reaquecimento da economia em seus números. Em janeiro, a [...]

A negócios ou lazer

Maior rede hoteleira do mundo, a americana Wyndham Hotels & Resorts está ampliando seu portfólio no Brasil. A empresa vai abrir o [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.