Giro

Cansou do Tinder? Conheça aplicativos inusitados de relacionamento

Crédito: Reprodução/Pexels

A lista traz opções que fogem do trivial e permite encontrar o par ideal mandando só áudios, como o Clubhouse, comparando o DNA ou através do horóscopo. (Crédito: Reprodução/Pexels)

A nova onda dos aplicativos hoje é o Clubhouse, um aplicativo baseada em áudios, exclusiva para iPhones e com inscrição por convites. Até pouco tempo, o Tinder foi a febre dos solteiros em busca de companhia. Na mesma onda surgiram Happn, Badoo e Jaumo.

A lista a seguir traz algumas opções que fogem um pouco desses mais famosos e permitem encontrar o par ideal mandando só áudios, como o Clubhouse, comparando o DNA ou através do horóscopo.

+ Na era do sexo virtual, profissionais vendem de meias de seda a uma sessão de conversa

Conheça apps de relacionamento com propostas inusitadas para quem deseja encontrar o match ideal. Eles estão disponíveis para iPhone (iOS) e celulares com Android.

1. Waving
O Waving é um app é quem os usuários se apresentam apenas por trechos curtos de áudio, que ficam disponíveis em um perfil. Desta forma, acreditam os desenvolvedores, as pessoas ficam menos tentadas a cair em ciladas, como se sentir atraído por perfis fake com fotos chamativas. Além disso, já dá para ter uma noção de como será uma conversa futura. O aplicativo está disponível apenas para iPhone (iOS).

2. Astrolink
O Astrolink não é um aplicativo de paquera. Ele é um serviço online especializado em fazer mapa astral. No entanto, o Astrolink também funciona como uma rede social. E lá, é onde as coisas podem acontecer, pois o app reúne em um único lugar pessoas com interesses em horóscopo e outros assuntos ligados à astrologia. O site também permite ver a compatibilidade com possíveis relacionamentos. Veja se você combina com o crush de acordo com os astros.

3. Pheramor
Com o Pheramor, é a ciência que pode ajudar a encontrar o par perfeito. A empresa promete saber o match ideal com base em uma análise de DNA. Para isso, após se cadastrar no aplicativo, a empresa manda um kit de coleta para o usuário, que reenvia a Pheramor para concluir o teste de laboratório.

Os cientistas isolam os genes ligados aos feromônios, substâncias químicas voltada à atração. Com esses dados e em conjunto com as informações de perfil, um algoritmo faz a sugestão de pretendentes com mais chances de combinar. O recurso está disponível para Android e iPhone (iOS), mas funciona por enquanto apenas em Houston, no Texas, nos Estados Unidos.

4. Cuddli
O Cuddli é um “Tinder” para nerds, com algumas funções bem específicas. No perfil é possível incluir ícones com cinco coisas que mais identificam o usuário, como computadores, gatos e livros, por exemplo. A partir daí, você consegue ver nos outros perfis algo em comum.

Assim como o Tinder, a conversa só é liberada caso aconteça o match. Em seguida, os usuários podem optar por entrar em “modo casal”. Dessa forma, os perfis ficam privados, não são exibidos outros pretendentes e as conversas com outras pessoas ficam “congeladas”. O aplicativo está disponível para Android e iPhone (iOS).

5. Hater
A proposta do Hater é unir casais que odeiam as mesmas coisas. O aplicativo lista uma série de tópicos que vão desde celebridades e políticos até situações cotidianas. Os usuários precisam dizer se gostam ou não das questões apresentadas pelo Hater. A partir disso, um algoritmo sugere pretendentes de acordo com as respostas. Encontre alguém que não gosta de dias ensolarados, de pessoas que andem devagar na rua ou que detesta a Katy Perry. O app está disponível para Android e iPhone (iOS).

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel