Mundo

Candidato presidencial colombiano denuncia escuta ilegal em escritório da campanha

Candidato presidencial colombiano denuncia escuta ilegal em escritório da campanha

Candidato presidencial colombiano Federico Gutiérrez durante ato de campanha em Bogotá



Por Luis Jaime Acosta

BOGOTÁ (Reuters) – O candidato de centro-direita à Presidência colombiana, Federico Gutiérrez, denunciou nesta terça-feira a descoberta de um microfone instalado ilegalmente em um de seus escritórios de campanha na cidade de Medellín.

Gutiérrez, segundo nas pesquisas de intenção de voto atrás do esquerdista Gustavo Petro, disse que o dispositivo de escuta foi encontrado na sexta-feira passada e imediatamente levado à polícia, que confirmou a descoberta do microfone.

Em declaração a repórteres, Gutiérrez, ex-prefeito da cidade de Medellín, perguntou a Petro se ele tinha alguma responsabilidade pela instalação do dispositivo e lembrou que um advogado próximo a seu rival disse recentemente que sua campanha havia sido alvo de vazamentos.



“Esta campanha tornou-se mais do que suja, isto já é um ato criminoso e um ato criminoso que coloca a democracia em risco”, disse Gutiérrez.

O advogado Miguel Angel del Rio, que é próximo ao esquerdista Petro, negou que a campanha do candidato de esquerda tenha qualquer responsabilidade nos eventos denunciados pelo adversário do centro-direita.

Gutiérrez também denunciou recentemente uma suposta pressão de grupos armados ilegais, como o Clã do Golfo e a guerrilha Exército de Libertação Nacional (ELN), para conseguir que pessoas em algumas regiões do país sul-americano de 50 milhões de pessoas votassem em Petro.


O candidato de esquerda também citou suposto apoio a Gutiérrez do Clã do Golfo, um grupo criminoso envolvido no tráfico de drogas e na mineração ilegal.

As acusações mútuas entre as campanhas dos candidatos com melhores chances de ganhar a Presidência têm aumentado à medida que se aproxima o primeiro turno eleitoral, em 29 de maio, no qual mais de 39 milhões de colombianos estão aptos a votar.

No início de maio, Petro denunciou a existência de um plano de uma quadrilha criminosa para fazer um atentado contra sua vida e cancelou uma viagem pela região cafeeira do país, levando o governo a intensificar seu plano de segurança.

Gutiérrez e vários de seus líderes de campanha também relataram ameaças durante o fim de semana de uma gangue criminosa que está sendo investigada pelas autoridades policiais.

tagreuters.com2022binary_LYNXNPEI4G13D-BASEIMAGE