Agronegócio

Cancelamentos de soja superam vendas dos EUA em 92,5 mil t, diz USDA

São Paulo, 8 – Cancelamentos superaram as vendas de soja da safra 2020/21 por exportadores dos Estados Unidos em 92,5 mil toneladas, na semana encerrada em 1º de abril, informou nesta quinta-feira, 8, o Departamento de Agricultura do país (USDA). O volume é o menor do ano comercial e representa queda expressiva ante a semana anterior e em relação à média das quatro semanas anteriores.

Na semana, os principais compradores foram Egito (66,2 mil t), Japão (40,7 mil t), Indonésia (21,1 mil t), México (13,2 mil t) e Arábia Saudita (10,4 mil t). As vendas, contudo, não foram suficiente para compensar os cancelamentos feitos principalmente pela China (216,1 mil t).

Para a temporada 2021/22, foram vendidas 338,6 mil toneladas para a China (264 mil t), Taiwan (65 mil t), México (10 mil t) e Tailândia (300 t).

O resultado da soma das duas safras na semana ficou dentro do intervalo de estimativas de analistas consultados pela Dow Jones Newswires, que esperavam vendas totais entre 100 mil toneladas e 550 mil toneladas.

Os embarques do período somaram 345,2 mil toneladas. O volume é pela segunda semana consecutiva o menor do ano comercial e representa queda de 25% em relação ao volume embarcado na semana anterior e de 37% na comparação com a média das quatro semanas anteriores. Os principais destinos foram Egito (119,2 mil t), México (76,5 mil t), Costa Rica (27,1 mil t), Indonésia (26,1 mil t) e Taiwan (18,5 mil t).

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel