Edição nº 1113 22.03 Ver ediçõs anteriores

Camelo não se cansa

O empresário Adriano Furlan, presidente da grife Camelo desde 2011, vai intensificar sua peregrinação pelo País para conseguir manter o ritmo de crescimento de sua empresa. Com nove unidades – oito delas próprias – e cerca de 1,8 mil revendedores multimarcas, a Camelo alcançou uma receita de quase R$ 45 milhões em 2018, uma alta de 30% na comparação com o ano anterior. Para 2019, a empresa projeta pelo menos oito novas aberturas, seis delas franquias. “A atuação por meio de franquias fará com que tenhamos uma abrangência regional maior”, diz o executivo, hoje com 35 anos. A Camelo tem unidades físicas nos Estados da Bahia, Santa Catarina e São Paulo.

(Nota publicada na Edição 1111 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Carlos Eduardo Valim e Felipe Mendes)


Mais posts

A operação interna da Bradesco Saúde

Maior operadora do Brasil, a Bradesco Saúde tem conseguido, com precisão cirúrgica, manter o ritmo de crescimento apesar da forte [...]

Crescendo a passos largos

O empresário Jonas Bechelli, presidente e fundador da Doctor Feet, maior rede de podologia do Brasil, vai queimar sola de sapato neste [...]

O negócio é ser fiel

A empresa austríaca myWorld, especializada em programas de fidelidade e cashback, está empolgada com seu ritmo de expansão no Brasil. O [...]

Frases da semana

“A segurança está no centro do que somos” Dennis Muilenburg, CEO da Boeing, ao prometer que irá rever todos os instrumentos de [...]

Maré alta para os iates

As perspectivas de reaquecimento da economia brasileira já estão movimentando o mercado de barcos. Segundo o diretor da fabricante [...]
Ver mais
X

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.