Negócios

Caixa abre 2ª rodada de venda de balcão de seguros

A Caixa Seguridade, holding que concentra os negócios de seguros da Caixa Econômica Federal, abriu na última sexta-feira, dia 24, a segunda rodada para a venda do seu balcão de seguros, passo fundamental para se listar na Bolsa, o que está previsto para o segundo semestre deste ano. Nesta etapa, busca mais quatro parcerias nas áreas de seguros de grandes riscos e pessoa jurídica; saúde; planos odontológicos e serviços de assistência 24 horas.

Em paralelo, a Caixa encerra nesta segunda-feira, dia 27, às 18 horas, o período de envio das propostas para a primeira rodada, anunciada no início do mês e que abrange os negócios de seguro de automóvel, consórcio, seguro habitacional e residencial e capitalização. As partes devem assinar um contrato de NDA – (do inglês, “non disclosure agreement”), acordo em que as partes se comprometem a manter as informações sob sigilo. Na sequência, receberão mais informações para a fase do envio das propostas não vinculantes, ou seja, que não obrigam o interessado a levar o ativo pelo preço ofertado, e assim por diante.

Conforme antecipou a Coluna do Broadcast, no dia 10 de maio, era esperada que a segunda fase da venda do seu balcão de seguros fosse iniciada próximo ao fim da primeira, em uma estratégia da companhia para garantir demanda aos negócios em questão. Para a segunda etapa, a Caixa aceita propostas de interessados até o dia 10 de junho. As parcerias terão prazo de 20 anos, com início previsto para fevereiro de 2021.

Para o negócio de grandes riscos, estão aptos a participar seguradoras ou resseguradoras, com valor de mercado ou patrimônio líquido superior a US$ 300 milhões no caso de empresas locais e US$ 1,5 bilhão para players internacionais. O parceiro terá 75% da sociedade enquanto a Caixa Seguridade ficará com os outros 25%, conforme antecipou a Coluna do Broadcast no dia 08 de abril.

Tanto no braço de saúde como de planos odontológicos, a Caixa Seguridade busca parceiros comerciais com no mínimo 50 mil beneficiários ou valor de mercado/patrimônio líquido superior a US$ 300 milhões no caso de empresas locais e US$ 1,5 bilhão para players internacionais. Na área de assistências 24 horas, a holding procura um sócio com “operações relevantes” neste segmento no Brasil ou no exterior e que tenha interesse em ficar com 25% do negócio. Os outros 75% ficam com a própria Caixa.

A Caixa Seguridade também comunicou ao mercado alterações nas condições de exclusividade dos potenciais participantes dos processos competitivos relacionados aos ramos de seguros habitacional e residencial e consórcio. No caso do seguro habitacional, por exemplo, a Caixa é obrigada a oferecer opções ao cliente para não configurar venda casada, conforme as regras deste segmento.

Enquanto busca parceiros no mercado, a Caixa finaliza as negociações com a sócia francesa CNP Assurances dos demais ramos que não foram ofertados juntamente com a venda do balcão de seguros do banco público. A Caixa Seguridade deve ficar com 75% dos ramos de seguro de vida, previdência e prestamista (que garante prestações financeiras) e a CNP com os outros 25%, também antecipado pela Coluna do Broadcast, no dia 08 de abril.

Ao ser redesenhado pela gestão atual, o novo processo de leilão do balcão de seguros da Caixa deve atrair um maior número de interessados. A expectativa é ultrapassar os cerca de 20 players atraídos no processo anterior. Contribui, sobretudo, o fato de a nova disputa mirar não apenas seguradoras bem como resseguradoras e outras empresas com expertise em consórcio, capitalização e serviços de assistências 24 horas.

Enquanto adianta a venda do seu balcão de seguros, a Caixa seleciona os assessores financeiros que vão tocar a venda do balcão de seguros e ainda a abertura de capital da companhia. Na tentativa anterior, o valor almejado era de R$ 10 bilhões.

Dentre os atrativos para os futuros parceiros, a Caixa destaca o fato de a sua base de clientes ter baixa penetração sob a ótica do seguro. O banco conta hoje com 93 milhões de clientes e responde por 37% dos depósitos de poupança e 69% do crédito habitacional. Sua rede totaliza 4.170 agências, 8.500 correspondentes bancários, 13.031 unidades lotéricas e 29.227 máquinas de autoatendimento.