Negócios

BuzzFeed vai abrir capital e investir em expansão digital

Crédito: Reprodução/Wikipedia

O BuzzFeed vai abrir capital para atrair investimentos para se consolidar no mercado de mídias digitais (Crédito: Reprodução/Wikipedia)

Em um projeto para se consolidar no mercado de mídias digitais, o BuzzFeed está próximo de abrir capital através de uma empresa de aquisição de propósito específico (SPAC, na sigla em inglês). Segundo o Wall Street Journal, a companhia pretende comprar o Complex, grande veículo jornalístico dos Estados Unidos.

O movimento de expansão iniciou-se no último mês de novembro, quando comprou o HuffPost, site de informação criado pela jornalista Arianna Huffington em parceria com Jonah Peretti, atual CEO do BuzzFeed, em 2005. Também faz parte dos planos o investimento em outras áreas digitais, sobretudo a de comércio eletrônico (e-commerce).

+ BuzzFeed demite 47 funcionários do HuffPost semanas após a aquisição

+ BuzzFeed compra HuffPost em aliança com rivais de meios digitais



Segundo o Adweek, o BuzzFeed aumentou em 67% sua receita com vendas digitais em 2020. O objetivo é implementar um serviço de “shopping digital” que ofertaria produtos de vendedores parceiros.

“Trabalhamos duro e devemos ter orgulho do que conquistamos. Nós trouxemos os elementos chave a uma empresa de mídia moderna: disciplina financeira e lucro, marcas icônicas, audiência massivamente engajada, plataforma de tecnologia de ponta e diversidade. Mas isso tudo é apenas a fundação de nosso próximo estágio de crescimento. Em breve teremos capital aberto e mais recursos para investir em crescimento”, escreveu Peretti.

O que é SPAC?

O Special Purpose Acquisition Company é uma empresa que levanta dinheiro através de uma oferta pública inicial (IPO, em inglês) para adquirir um negócio e então torná-lo uma companhia de capital aberto. Chamados de IPOs do “cheque em branco”, esse tipo de operação existe há quase 20 anos nos Estados Unidos, tornando-se cada vez mais popular para captar recursos na bolsa para investir em empresas de risco.

A diferença ao IPO tradicional é que os investidores apostam na capacidade dos gestores contratados para levantar recursos e que o levantamento de capital é feito antes da empresa ser definida na bolsa. Esta credibilidade da empresa contratada é responsável para que o investidor faça o chamado “cheque em branco”.

Veja também
+ Até 2019, havia mais gente nas prisões do que na bolsa de valores do Brasil
+ Geisy reclama de censura em rede social: “O Instagram tá me perseguindo”
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Nicole Bahls já havia sido alertada sobre infidelidade do ex-marido
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago