Giro

Butanvac é segura e tem imunogenicidade potente, apontam resultados preliminares

Crédito: Divulgação - Instituto Butantan

Ensaios clínicos de fase 1 realizados na Tailândia demonstraram que a Butanvac, desenvolvida pelo Instituto Butantan, é segura e tem imunogenicidade potente (Crédito: Divulgação - Instituto Butantan)

Ensaios clínicos de fase 1 realizados na Tailândia demonstraram que a Butanvac, nova candidata à vacina contra a covid-19 desenvolvida pelo Instituto Butantan, é segura e tem imunogenicidade potente. Os resultados foram descritos em artigo publicado no último dia 22 na plataforma de preprints MedRxiv.



Participaram pesquisadores da Universidade Mahidol, de Bangkok (Tailândia), da Icahn Escola de Medicina Monte Sinai, de Nova York (EUA), e da Universidade do Texas, em Austin (EUA). Chamada internacionalmente de NDV-HXP-S, a Butanvac está sendo testado também no Vietnã, além de Tailândia e de Brasil.

+ Duas cidades mineiras passam a fazer parte de ensaios com a ButanVac

De acordo com o estudo tailandês, randomizado e controlado por placebo, todas as formulações da candidata à vacina foram bem toleradas nos 210 voluntários. Ao todo, 82 homens e 128 mulheres entre 18 e 59 anos tomaram duas doses com intervalo de 28 dias. Houve efeitos adversos em menos de um terço dos participantes. Os sintomas mais frequentes foram dor e sensibilidade (mais comuns nos que receberam a maior dosagem), fadiga, cefaleia e mialgia.

Para o médico sanitarista e ex-presidente da Anvisa, Gonzalo Vecina, o número de participantes para fase 1 não só é adequado, como o sucesso da Butanvac na fase 1 era esperado. Isso porque, explica, “os estudos pré-clínicos indicam como caminharão os testes em fase 1 e 2”, o que acaba evitando grandes surpresas.



“O problema poderá ocorrer na fase 3”, relata Vecina, dando destaque para a etapa que indica a eficácia da vacina contra a covid-19. Tradicionalmente, a fase 1 de um ensaio clínico atesta apenas a segurança de uma vacina e sua seleção de dose, ou seja, qual a dosagem que desperta a melhor resposta no organismo.

Com base nos resultados do estudo, as formulações de 3 µg e 3 µg mais adjuvante foram selecionadas para serem avaliadas na próxima etapa do ensaio clínico, a fase 2.

“Mostramos que a vacina candidata NDV-HXP-S inativada tem um perfil de segurança aceitável e é altamente imunogênica. Esta vacina pode ser produzida a baixo custo em qualquer instalação projetada para a produção de vacina inativada do vírus da influenza”, dizem os autores no artigo.

Ensaios clínicos no Brasil

No Brasil, os ensaios clínicos da Butanvac também já estão em andamento. A etapa A da fase 1 está sendo realizada em Ribeirão Preto (SP), Guaxupé (MG), São Sebastião do Paraíso (MG) e Itamogi (MG). Para participar, é preciso ter mais de 18 anos, nunca ter tido covid-19, não ter sido vacinado contra o SARS-CoV-2, não ser alérgico a ovos e frango e não estar grávida ou ser lactante. Na etapa B, poderão participar inclusive pessoas vacinadas ou que já tenham sido infectadas pelo SARS-CoV-2, informou o Instituto Butantan.


Veja também
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Vídeo: Motorista deixa carro Tesla no piloto automático e dorme em rodovia de SP
+ Vale-alimentação: entenda o que muda com novas regras para benefício
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Descoberto na Armênia aqueduto mais oriental do Império Romano
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Lago Superior: a melhor onda de água doce do mundo?

Tópicos

Agência Nacional de Vigilância Sanitária anticorpos astrazeneca coágulos astrazeneca efeitos colaterais astrazeneca eficácia Bolsonaro butanvac butanvac anvisa Butanvac calendário Butanvac eficiência Butanvac hoje Butanvac teste Butanvac voluntário Como é a variante indiana? Como funciona a Xepa da vacina? coronavac coronavírus coronavírus Brasil coronavírus quantas cepas Covas covid covid infectados brasil covid infectados mundo Covid-19 crise sanitária curevac Dimas Covas Diretor Instituto Butantan Dobro de anticorpos efeitos colaterai vacina eficacia coronavac eficácia coronavac variante indiana eficácia curevac Eficácia da vacina brasileira eficácia pfizer eficácia pfizer primeira dose eficácia segunda dose eficacia vacina Oxford Eficiência vacina do Butantan estudo butanvac estudos preliminares fake news fiocruz eficácia fiocruz produção fiocruz vacina Foi liberado a vacina para maiores de 18 anos? Hemocentro de Ribeirão Preto Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo imunidade imunização imunização ativa e passiva imunização de rebanho imunização SP infectados EUA covid Intituto Butantan Jair Bolsonaro Janssen eficácia Ministério da Saúde negacionismo notícias falsas O que é a variante P4 da Covid-19? pandemia pfizer efeitos adversos pfizer segunda dose placebo pni Programa Nacional de Imunização quais vacinas estão sendo aplicadas no brasil quais variantes já chegaram no Brasil? Qual é a nova variante da Índia? Quando Butanvac fica pronta? Quando tomar a vacina brasileira? quando vão liberar a Butanvac quantas vacinas Butantan Que comorbidade pode vacinar? Quem pode se vacinar SP? SARS-CoV-2 segunda dose coronavac vacina vacina balanço mundo vacina brasileira vacina butantan vacina do butantan vacina efeitos adversos vacina eficácia vacina mortes vacina mortos brasil vacina mortos mundo vacina oms vacinação variante indiana brasil variante indiana letalidade variante indiana risco variante Manaus variante tanzania voluntarios Butantan